O barco da organização não-governamental alemã Lifeline, com cerca de 230 migrantes, chegou esta quarta-feira ao porto maltês de La Valeta, depois de permanecer seis dias no Mediterrâneo à espera de uma autorização de desembarque num porto europeu.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/travessia-do-mediterraneo/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”737″ slug=”travessia-do-mediterraneo” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/travessia-do-mediterraneo/thumbnail?version=1528738737611&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

A embarcação chegou lentamente ao porto da capital de Malta e os migrantes, conforme mostravam os meios locais, estavam concentrados no convés, após passarem seis dias no mar, depois do seu resgate, pela recusa de Itália e Malta em acolhê-los.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, anunciou esta quarta-feira que iria permitir ao barco o acesso ao porto, depois de ter alcançado um acordo para repartir os refugiados por oito Estado da União Europeia, entre os quais Portugal.