PSP

O juiz aplicou-lhe prisão preventiva. Ele empurrou o polícia e fugiu do Tribunal de Sintra

455

Um homem de 27 anos, sujeito a prisão preventiva, escapou ao agente que devia conduzi-lo à Prisão de Caxias. Esteve 24 horas como fugitivo. Foi perseguido, destruiu um carro e voltou a ser detido.

Ant

O juiz tinha acabado de aplicar-lhe a medida de coação de prisão preventiva, depois de esta segunda-feira ter sido presente a tribunal para o primeiro interrogatório, em Sintra, por crimes de roubo com violência no distrito de Lisboa. Quando estava a ser conduzido para a cela, onde deveria esperar para que fosse formalizada a ordem para ser levado para Caxias, pediu para ir à casa de banho. E fugiu à PSP.

O agente da esquadra da PSP da Amadora estava sozinho com o homem de 27 anos, no piso inferior do Tribunal de Sintra. Num momento de descontração, sentiu apenas empurrão. Caiu e já nem conseguiu reagir a tempo de evitar uma fuga que só terminaria 24 horas mais tarde, a 20 quilómetros de distância e com uma perseguição pelas ruas de Queluz.

Na tarde de segunda-feira, quem estava no tribunal ainda conseguiu assistir a parte do episódio, através das janelas do edifício viradas para a estação da CP da Portela de Sintra. Depois de empurrar o agente da PSP, o homem encontrou forma de subir ao andar térreo do tribunal e alcançar a porta de saída. Pelo caminho, ainda se embrulhou com um elemento de segurança privada que ali costuma estar colocado.

A cena seguinte pareceu caricata a quem assistiu: para escapar, o fugitivo atirou-se pelo morro que separa o Tribunal de Sintra da estrada principal, vários metros lá mais abaixo. Aos tombos, rebolando por cima das plantas, o homem lá desceu o terreno. Depois, correu o mais rápido que conseguia durante cerca de 500 metros, direito à estação. Entrou no comboio que partia naquele momento para Lisboa e desapareceu.

Fugitivo destrói carro para fugir à Polícia

O episódio deixou um incómodo mal disfarçado na PSP. E não apenas pelo facto de um agente daquela Polícia ter deixado escapar um homem que estava sob sua responsabilidade e a quem tinha acabado de ser aplicada prisão preventiva. É que as regras ditam que, nos casos em que se cumpram ordens judiciais para apresentação em tribunal, devem estar sempre presentes, pelo menos, dois elementos da PSP. Não foi o caso.

Fast forward de 24 horas, até à tarde de terça-feira. Uma “dica anónima”, descreve ao Observador fonte ligada ao processo, dá à PSP a posição do fugitivo: Queluz. Rapidamente, três homens da Esquadra de Investigação Criminal de Sintra entram no carro “à paisana” e seguem para o ponto indicado. Confirmava-se. Era ele, só tinham de apanhá-lo de surpresa e estava cumprida a missão.

Mas, no momento em que saem do carro, o homem apercebe-se da presença dos agentes e começa a correr. É perseguido por algumas ruas até que um dos agentes consegue alcançá-lo. Resiste, consegue soltar-se e volta a escapar.

Nova corrida, mas desta vez bastante mais curta. Alguns metros à frente, é o próprio fugitivo quem esbarra contra um carro que passava por uma das principais avenidas de Queluz, frente à estação de comboios.

O condutor ficou sem reação, o vidro do carro ficou estilhaçado, o retrovisor preso por um fio, mas o homem era finalmente detido. Entretanto, já voltou a ser presente a tribunal. Mas, desta vez, no Tribunal da Amadora. E foi acompanhado pela equipa da PSP de Sintra que conseguiu detê-lo depois da fuga. Vai mesmo ficar em prisão preventiva enquanto espera pelo julgamento por roubo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)