Rádio Observador

Holanda

Polícia investiga ligações ao crime organizado em ataque a jornal holandês

Na terça-feira, uma carrinha branca foi deliberadamente atirada, por duas vezes, contra a fachada envidraçada do edifício onde se encontra sediado o De Telegraaf, o jornal de maior tiragem na Holanda.

KOEN VAN WEEL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A polícia holandesa anunciou esta quarta-feira que está a investigar uma pista relacionada com o crime organizado no caso do ataque com uma carrinha a um jornal holandês, em Amsterdão, do qual não resultaram vítimas.

“Estamos a investigar todas as pistas e não excluímos que o ataque possa estar ligado ao crime organizado”, disse à AFP a porta-voz da polícia de Amsterdão, Esther Izaks.

Na madrugada de terça-feira, uma carrinha branca foi deliberadamente atirada, por duas vezes, contra a fachada envidraçada do edifício onde se encontra sediado o tabloide De Telegraaf, o jornal de maior tiragem do país. Posteriormente o condutor, que estava encapuzado, saiu do veículo e ateou fogo à carrinha, segundo as imagens do sistema de videovigilância.

“Não nos vão calar”, era o título da primeira página do De Telegraaf esta quarta-feira, que mostrava também uma foto do veículo calcinado trespassando a fachada destruída.

Depois deste segundo ataque contra edifícios que albergam órgãos de comunicação social, em menos de uma semana, na Holanda, as autoridades reforçaram as medidas de segurança para proteger as redações, nomeadamente através da instalação de câmaras de videovigilância suplementares.

Na quinta-feira, um homem usou uma arma antitanque contra um outro edifício em Amsterdão, onde se situa o semanário Panorama, sem fazer vítimas. O homem, de 41 anos, foi preso e identificado pela polícia como chefe de um grupo local de motards.

Especializado em faits divers, desporto e celebridades, o De Telegraaf avançou que os autores do ataque poderiam estar ligados à máfia de Amsterdão, cujos membros são muitas vezes de origem marroquina ou surinamesa.

Tanto o De Telegraaf como o Panorama publicaram recentemente investigações detalhadas sobre a perseguição policial a dois membros de um gangue de Utrecht que supostamente fugiram para o México.

Amesterdão tem sido palco de vários assassinatos nos últimos anos, tendo como pano de fundo a luta para controlar o tráfico de droga. Em 2016, a cabeça cortada de um conhecido membro de um gangue foi encontrada em frente a um bar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)