Nota – Inicialmente, referia-se na notícia que o festival OITO24 acontece em Vila Nova de Famalicão, quando na verdade decorre em Espinho. Pelo lapso, as nossas desculpas

A cadeia brasileira Globo chama-lhe “fenómeno” e não é difícil validar a expressão com números: com apenas dois discos, o cantor e músico carioca Rubel conseguiu destacar-se no (imenso) movimento musical brasileiro, tendo até um videoclip de um tema (“Quando Bate Aquela Saudade”) a superar os 20 milhões de visualizações no Youtube. Em agosto, Rubel atua em Portugal. Tem concertos já agendados em Lisboa — no Musicbox, dia 10 — e em Vila Nova de Famalicão e Espinho, respetivamente nos festivais Devesa Sunset (dia 17) e OITO24 (dia 18).

Com um primeiro disco editado em 2015 que o notabilizou no circuito indie brasileiro, Pearl, bastante ancorado na música folk, Rubel não se quis repetir. Foi essa vontade que motivou o cantor a editar já este ano um álbum bastante diferente, Casas, que mistura os arranjos mais minimalistas e delicados da MPB (com os acordes de “violão” inspirados nos músicos brasileiros dos anos 1960 e 1970) com arranjos jazz e samba e com uma sonoridade R&B, por vezes influenciada pelo hip hop (trazido sobretudo pelos dois convidados do disco, Emicida e Rincon Sapiência).

A edição do novo álbum — que inclui temas íntimos e políticos, no qual Rubel tanto cita Snoop Dogg como Jorge Ben Jorge — é o pretexto para a digressão que levará o músico carioca a Portugal este verão. Estas serão as primeiras datas europeias do cantor este ano, já que Rubel tem vindo a apresentar o novo disco apenas no Brasil.