Rádio Observador

Joana Vasconcelos

Diretor do Guggenheim Bilbao considera Joana Vasconcelos artista contemporânea relevante

113

O diretor-geral do Museu Guggenheim de Bilbau explicou que Joana Vasconcelos foi convidada para expor a sua obra naquela instituição porque é uma "artista contemporânea relevante".

Carmo Correia/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor-geral do Museu Guggenheim de Bilbau explicou esta quinta-feira que Joana Vasconcelos foi convidada para expor a sua obra naquela instituição porque é uma “artista contemporânea relevante” e a sua obra “encaixa perfeitamente” na programação da instituição.

“É uma artista contemporânea relevante e uma das linhas de programação do museu é apresentar ao nosso público a obra de artistas contemporâneos que são relevantes”, disse Juan Ignacio Vidarte esta quinta-feira, na sessão de apresentação da exposição “I’m your Mirror” da artista plástica portuguesa.

Para o responsável do museu, a obra da artista é “muito interessante” e “encaixa perfeitamente” no “discurso de programação” da instituição. A exposição, que pode ser visitada até 11 de novembro, tem uma seleção de trinta obras realizadas entre 1997 e a atualidade da mais internacional dos artistas portugueses da geração de Joana Vasconcelos, que nasceu em Paris, em 1971.

A mostra inclui 14 obras inéditas, entre elas a instalação de grande dimensão “Egeria”, concebida especificamente para ficar suspensa no pátio central (átrio) do museu, onde irá interagir com os complexos espaços desenhados pelo arquiteto do edifício, o norte-americano, nascido no Canadá, Frank Gehry.

“Penso que a sua obra é muito apropriada para esta arquitetura”, defendeu, por seu lado, o comissário da exposição, Enrique Juncosa, confessando que já há algum tempo que tinha “vontade” de trabalhar com Joana Vasconcelos. Juncosa explicou que a “escala” com que a artista portuguesa trabalha tem “dimensão teatral” e resulta bem no edifício do museu “muito teatral e barroco”.

O Museu Guggenheim de Bilbau, foi inaugurada em 1997 e tem uma arquitetura inovadora caraterizada por formas curvas e retorcidas, cobertas por calcário, vidro e titânio. O museu, que recebe mais de um milhão de visitantes por ano, rapidamente se tornou na imagem mais icónica de Bilbau, tendo contribuído de forma decisiva para a transformação e modernização da que, até à altura, era considerada uma cidade industrial e decadente.

“Através da construção de imagens chocantes, festivas e diretas que se referem a assuntos sociopolíticas próprios das sociedades consumidoras, pós-coloniais e globalizadas, Joana Vasconcelos aborda temas que vão desde a imigração até a violência de gênero”, considera o museu na apresentação da artista portuguesa.

O ministro da Cultura de Portugal, Luís Filipe Castro Mendes, vai estar hoje ao fim do dia na sessão de inauguração da exposição, que abre ao público na sexta-feira. A mostra de Joana Vasconcelos vai coincidir com, entre outras exposições, uma retrospetiva do pintor surrealista Marc Chagall – “Chagall. Os anos decisivos, 1911–1919” -, que vai estar até 02 de setembro no Museu Guggenheim de Bilbau.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)