Rádio Observador

Joana Vasconcelos

Joana Vasconcelos considera exposição no Guggenheim Bilbau como “momento de charneira”

A artista plástica Joana Vasconcelos qualificou de "momento muito importante" e "de charneira" na sua carreira a exposição "I'm Your Mirror", no Museu Guggenheim Bilbau, em Espanha.

LUIS TEJIDO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A artista plástica Joana Vasconcelos qualificou esta quinta-feira de “momento muito importante” e “de charneira” na sua carreira a exposição “I’m Your Mirror”, no Museu Guggenheim Bilbau, em Espanha, que abre ao público esta sexta-feira.

Expor no Guggenheim é um momento muito importante para a minha carreira, porque é um momento de charneira”, disse a artista à agência Lusa, sublinhando o facto de ser a primeira portuguesa a apresentar as suas obras “no maior museu da Península Ibérica e um dos maiores da Europa”.

Para Joana Vasconcelos, tudo isso permite-lhe ter “uma visibilidade e uma interação com os públicos” nacionais e internacionais, e também uma “maior expansão” da sua obra, no futuro. A exposição, que pode ser visitada até 11 de novembro, tem uma seleção de trinta obras realizadas entre 1997 e a atualidade, da mais internacional dos artistas portugueses da sua geração.

Eu espero que as pessoas saiam desta exposição a sentir e a pensar coisas diferentes daquelas que tinham, ao iniciar este percurso, através desta obra”, disse Joana Vasconcelos.

A mostra inclui 14 obras inéditas, entre elas a instalação de grande dimensão “Egeria”, concebida especificamente para ficar suspensa no pátio central (átrio) do museu, onde a artista sustenta que irá “interagir” com os complexos espaços desenhados pelo arquiteto do edifício, o norte-americano, nascido no Canadá, Frank Gehry.

Esta obra monumental, caracterizada pelas “suas inusuais formas orgânicas”, é considerada pelo museu como “uma das mais ambiciosas” da “importante” série Valquírias, que Vasconcelos criou, inspirando-se em imagens femininas da mitologia escandinava, e será, “sem dúvida, um dos maiores atrativos da mostra”.

O nome da exposição, “I’m Your Mirror”, é uma homenagem à célebre cantora alemã “Nico” (Christa Päffgen), que interpretou a canção “I’ll be you Mirror” (1967), escrita por Lou Reed e interpretada com o mítico grupo musical de Nova York The Velvet Underground.

Para a artista que nasceu em Paris, em 1971, essa música “é muito inspiradora”, porque fala dessa ideia de como é que as pessoas “se espelham uns aos outros” ou “como é que somos os espelhos uns dos outros”.

“Neste caso, eu sou o espelho do meu país e um espelho de mim própria”, conclui. No exterior do museu vão estar instaladas duas obras: o já conhecido “Pop Galo” (2016) e o inédito “Solitário”, um anel de noivado gigante, feito com jantes de automóveis de luxo e copos de uísque, num trabalho que conjuga dois dos símbolos mais estereotipados do desejo feminino e masculino.

A exibição começa com algumas obras emblemáticas dos primeiros anos da carreira de Joana Vasconcelos, como “Cama Valium” (1998), “Burka” (2002) e “A Noiva” (2001-2005), em que a artista aborda questões relacionadas à identidade feminina, tanto na esfera privada como na esfera política e social.

A mostra inclui alguns de trabalhos mais recentes de Joana Vasconcelos, como “Marilyn” (2009-2011), “Lilicoptère” (2012), “A Todo o Vapor” (2012) e “Call Center” (2014-2016).

Esta peça conta também com a ‘banda sonora’ de Jonas Runa – “Sinfonia Electroacústica para 168 Telefones” -, à semelhança de “Pop Galo” (com “Cinco Composições de Som e Luz”) e “Egéria” (“Codex Lux”), três obras desenvolvidas especificamente pelo compositor português, para estas esculturas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)