Joana Vasconcelos

Joana Vasconcelos considera exposição no Guggenheim Bilbau como “momento de charneira”

A artista plástica Joana Vasconcelos qualificou de "momento muito importante" e "de charneira" na sua carreira a exposição "I'm Your Mirror", no Museu Guggenheim Bilbau, em Espanha.

LUIS TEJIDO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A artista plástica Joana Vasconcelos qualificou esta quinta-feira de “momento muito importante” e “de charneira” na sua carreira a exposição “I’m Your Mirror”, no Museu Guggenheim Bilbau, em Espanha, que abre ao público esta sexta-feira.

Expor no Guggenheim é um momento muito importante para a minha carreira, porque é um momento de charneira”, disse a artista à agência Lusa, sublinhando o facto de ser a primeira portuguesa a apresentar as suas obras “no maior museu da Península Ibérica e um dos maiores da Europa”.

Para Joana Vasconcelos, tudo isso permite-lhe ter “uma visibilidade e uma interação com os públicos” nacionais e internacionais, e também uma “maior expansão” da sua obra, no futuro. A exposição, que pode ser visitada até 11 de novembro, tem uma seleção de trinta obras realizadas entre 1997 e a atualidade, da mais internacional dos artistas portugueses da sua geração.

Eu espero que as pessoas saiam desta exposição a sentir e a pensar coisas diferentes daquelas que tinham, ao iniciar este percurso, através desta obra”, disse Joana Vasconcelos.

A mostra inclui 14 obras inéditas, entre elas a instalação de grande dimensão “Egeria”, concebida especificamente para ficar suspensa no pátio central (átrio) do museu, onde a artista sustenta que irá “interagir” com os complexos espaços desenhados pelo arquiteto do edifício, o norte-americano, nascido no Canadá, Frank Gehry.

Esta obra monumental, caracterizada pelas “suas inusuais formas orgânicas”, é considerada pelo museu como “uma das mais ambiciosas” da “importante” série Valquírias, que Vasconcelos criou, inspirando-se em imagens femininas da mitologia escandinava, e será, “sem dúvida, um dos maiores atrativos da mostra”.

O nome da exposição, “I’m Your Mirror”, é uma homenagem à célebre cantora alemã “Nico” (Christa Päffgen), que interpretou a canção “I’ll be you Mirror” (1967), escrita por Lou Reed e interpretada com o mítico grupo musical de Nova York The Velvet Underground.

Para a artista que nasceu em Paris, em 1971, essa música “é muito inspiradora”, porque fala dessa ideia de como é que as pessoas “se espelham uns aos outros” ou “como é que somos os espelhos uns dos outros”.

“Neste caso, eu sou o espelho do meu país e um espelho de mim própria”, conclui. No exterior do museu vão estar instaladas duas obras: o já conhecido “Pop Galo” (2016) e o inédito “Solitário”, um anel de noivado gigante, feito com jantes de automóveis de luxo e copos de uísque, num trabalho que conjuga dois dos símbolos mais estereotipados do desejo feminino e masculino.

A exibição começa com algumas obras emblemáticas dos primeiros anos da carreira de Joana Vasconcelos, como “Cama Valium” (1998), “Burka” (2002) e “A Noiva” (2001-2005), em que a artista aborda questões relacionadas à identidade feminina, tanto na esfera privada como na esfera política e social.

A mostra inclui alguns de trabalhos mais recentes de Joana Vasconcelos, como “Marilyn” (2009-2011), “Lilicoptère” (2012), “A Todo o Vapor” (2012) e “Call Center” (2014-2016).

Esta peça conta também com a ‘banda sonora’ de Jonas Runa – “Sinfonia Electroacústica para 168 Telefones” -, à semelhança de “Pop Galo” (com “Cinco Composições de Som e Luz”) e “Egéria” (“Codex Lux”), três obras desenvolvidas especificamente pelo compositor português, para estas esculturas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
334

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)