Moçambique

Renamo pede três meses para reintegrar os seus efetivos armados nas Forças de Defesa de Moçambique

A Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) defendeu um prazo de três meses para a reintegração dos homens armados da sua formação, o maior partido de oposição, nas Forças de Defesa e Segurança.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) defendeu um prazo de três meses para a reintegração dos homens armados da sua formação, o maior partido de oposição, nas Forças de Defesa e Segurança de Moçambique.

“Este tempo é suficiente para que as regras e princípios a serem seguidos, de acordo com os entendimentos já alcançados, sejam cumpridos”, disse Manuel Bissopo, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM). O secretário-geral da Renamo falava em Nampula, norte de Moçambique, onde realiza uma visita de trabalho.

Para Bissopo, “há vontade de dois lados” e reafirmou que o principal partido de oposição em Moçambique quer uma paz permanente. “A Renamo quer que esta paz seja para sempre, a intenção é que não exista apenas uma única força com armas, para que não sejam essas a matar-nos amanhã”, declarou o também deputado no parlamento moçambicano pela Renamo.

Bissopo acrescentou ainda que o processo desmilitarização está a decorrer normalmente, dentro dos acordos entre o falecido líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Afonso Dhlakama, e o chefe de Estado, Filipe Nyusi.

“Nós sentimos que temos um grande compromisso para com o povo, que é a manutenção da paz”, acrescentou Bissopo, sem, no entanto, fazer referência ao impasse no parlamento entre o seu partido e a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, no que diz respeito ao arranque do debate sobre a revisão da Constituição para a descentralização, uma das principais exigências da Renamo nas negociações de paz.

A Assembleia da República de Moçambique travou, na semana passada, a pedido da Frelimo, a realização de uma sessão extraordinária que havia sido marcada para os dias 21 e 22. A Frelimo evocou a falta de avanços no processo negocial sobre o desarmamento da Renamo para solicitar o adiamento da reunião que serviria para conciliar a lei eleitoral com as alterações à Constituição no âmbito do pacote de descentralização negociado entre o Presidente moçambicano e Afonso Dhlakama – que morreu a 3 de maio, devido a doença.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)