Rádio Observador

Incêndios

Governo garante que Portugal está “mais atento” e “preparado” para o risco dos incêndios

147

O ministro da Administração Interna considerou fundamental a participação dos parceiros sociais nas questões da prevenção e combate aos fogos, garantindo que Portugal está "mais atento" e "preparado".

LUÍS FORRA/LUSA

O ministro da Administração Interna considerou esta sexta-feira fundamental a participação dos parceiros sociais nas questões da prevenção e combate aos fogos, garantindo que Portugal está “mais atento” e “preparado” para o risco dos incêndios.

Hoje estamos mais atentos, mais prevenidos, mais preparados para o risco de incêndios florestais. É fundamental mudar o futuro, mas é decisivo que 2018, que o presente seja já um presente em segurança”, disse aos jornalistas Eduardo Cabrita no final de uma reunião na comissão permanente de Concertação Social.

O ministro participou esta sexta-feira, juntamente com o secretário de Estado da Proteção Civil, José Neves, na reunião plenária da comissão permanente de Concertação Social, que teve como tema “Proteção Civil: prioridades para 2018”.

Para o governante, esta reunião “foi muito importante” ao permitir aos parceiros sociais “uma ampla informação sobre aquelas que são as linhas essenciais de uma estratégia que é prioritária para o país” e que assenta na prevenção de risco de incêndios florestais, em medidas de autoproteção e naquilo que tem vindo a ser feito para o combate dos incêndios rurais.

Eduardo Cabrita sustentou que a “participação de parceiros sociais neste esforço, quer das empresas, quer o papel decisivo dos trabalhadores, é fundamental naquilo que hoje é um tema central na sociedade portuguesa”.

Neste momento estamos preparados para os riscos do combate quando dias mais difíceis do que estes que vivemos chegarem. Para isso, é muito importante que em conjunto com os parceiros sociais se prepare este futuro para que 2018 corra bem e que em 2019 se faça ainda melhor”, afirmou.

No final da reunião, o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, João Vieira Lopes, disse aos jornalistas que a questão de fundo passa pela criação de um plano de desenvolvimento económico para o interior do país que fixe pessoas e empresas.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/area-ardida-em-portugal-por-ano/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”3″ slug=”area-ardida-em-portugal-por-ano” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/area-ardida-em-portugal-por-ano/thumbnail?version=1525862231274&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

“Não vale a pena ter ilusões”, sublinhou, avançando que, caso não seja criado este plano, Portugal terá “ciclicamente este problema”. Também o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou que a prevenção dos incêndios “não pode ser desligada” do desenvolvimento no país da coesão social e territorial.

Para tal, defendeu, que é preciso ter mais gente a trabalhar e a viver no interior, é necessário investir fortemente na captação de emprego e na fixação e atração de pessoas nestas zonas do país, bem como acabar com o encerramento de serviços públicos e criar condições de mobilidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)