O investimento em investigação e desenvolvimento (I&D) atingiu 1,33% do Produto Interno Bruto em 2017, um aumento de 175 milhões de euros num setor repartido principalmente entre empresas e universidades.

Os resultados são provisórios e foram esta sexta-feira divulgados no Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência. Em 2017 foram investidos 2.563 milhões de euros em I&D, incluindo recursos humanos, e o número de investigadores aumentou para 8,5 por cada mil habitantes, enquanto no ano anterior era de oito por mil.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/i-d-em-portugal/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”101″ slug=”i-d-em-portugal” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/i-d-em-portugal/thumbnail?version=1525275696140&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

No total, há 10,4 pessoas por mil habitantes a trabalhar no setor, indicam os números divulgados esta sexta-feira. Da despesa total investida, 51% foi feita pelo setor das empresas, seguindo-se o ensino superior, com 43%.

As empresas garantiram a maior parte do aumento em relação a 2016, investindo mais 139 milhões no ano passado, enquanto no Ensino Superior se investiu mais 24 milhões do que em 2016.

O Estado e instituições privadas sem fins lucrativos asseguraram, respetivamente, 5% e 2% do investimento. É a primeira vez desde 2002 que o investimento privado em I&D supera o investimento público.

De acordo com o Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, a empresa que mais investiu foi o grupo Altice Portugal, com 86 milhões de euros, seguindo-se a NOS, Grupo Banco Comercial Português, Hovione Farmaciência e BPI.