Rádio Observador

Bugatti

Mudar o óleo: 18.000€. Mas há coisas (bem) piores

Se é daqueles que até treme cada vez que o seu carro tem de ir à revisão, com receio de sair de lá com uma conta calada para pagar, alegre-se por não ser o (feliz) proprietário de um Bugatti Veyron.

Que a manutenção de um superdesportivo tende a dar origem a contas caladas, já sabíamos. Só não calculávamos quanto. Agora, já podemos ter uma ideia mais próxima da realidade. E logo com um supercarro da Bugatti: o Veyron, antecessor do ainda mais proibitivo – e rápido – Chiron.

Entre 2005 e 2015, o construtor francês do Grupo Volkswagen vendeu “apenas” 450 unidades do Veyron, entre o 16.4 (2005-2011), o Grand Sport (2009-2015), o Super Sport (2010-2011) e o Grand Sport Vitesse (2011-2015). Se acha pouco, é bom ter presente que, para além de cada um desses carros ter custado no mínimo 1, 5 milhões de euros (preço-base), neste momento a Bugatti tem perto de meio milhar de veículos a que só ela pode dar assistência, pois de outra forma a garantia deixa de ser válida. Quanto é que isso custa? Uma batelada de euros por ano, segundo nos revela um vídeo divulgado no canal de YouTube denominado Salomondo.

É com visível excitação que o protagonista do filme faz umas contas rápidas à volta de um Super Sport de 2010, modelo limitado a pouco mais de 40 exemplares, o que eleva já de si a raridade e exclusividade associadas ao Veyron. Cem quilogramas mais leve e com mais 200 cv que a versão “normal”, o Super Sport chegou a ser o veículo homologado para a estrada mais rápido do mundo, depois de ter alcançado a velocidade máxima de 431,072 km/h, cortesia de um motor de 8,0 litros com 16 cilindros em W e quatro turbocompressores, capazes de lhe assegurar 1.200 cv às 6.400 rpm e um binário máximo de 1.500 Nm entre as 3.000 e 5000 rpm. Este poder de fogo, associado uma caixa DSG de sete velocidades, permite que o Veyron deixe para trás os 100 km/h ao fim de 2,5 segundos, os 200 km/h passados 6,7 segundos e os 300 km/h alcançam-se em 14,6 segundos. Cifras impressionantes que encontram a devida correspondência na hora de ir à oficina…

Antes do mais, importa sublinhar que todo e qualquer Veyron só pode ser assistido pela Bugatti, seja numa rede de espaços reconhecidos pela oficialmente marca, seja pelos famosos flying doctors, especialistas que o construtor de Molsheim faz deslocar a casa do cliente. Pois bem, aquela tarefa complicadíssima por que todos os automóveis têm de passar com regularidade e que dá pelo nome de “mudança de óleo” é serviço para custar 21 mil dólares (cerca de 18.000€)! Um balúrdio que, ainda assim, está a léguas de uma troca de pneus: mudar os quatro pneumáticos requer o pagamento de 30 mil dólares (cerca de 25.600€), o que significa que cada “sapato” custa 6.400€, ou não tivessem sido estes pneus desenvolvidos especificamente pela Michelin para que o Veyron pudesse colar-se ao asfalto quando voa à sua velocidade máxima… Sucede que, depois de efectuar três trocas de pneus – e a durabilidade destes não condiz com o preço, mas sim com a performance – a Bugatti insiste que o melhor mesmo é mudar também as jantes. A recomendação justifica-se: há um composto especial entre o aro da jante e a borracha que se vai degradando com a transmissão do torque à roda. O problema é que cada jante orça em qualquer coisa como 25.750€ – o equivalente a um Volkswagen Golf. Mudar as quatro jantes implica, por isso, desembolsar um total de 120 mil dólares, perto de 103.000€ – mais ou menos o valor exigido, entre nós, por um Porsche Cayenne. No fim de contas, a revisão anual até acaba por ser uma pechincha: 30 mil dólares (cerca de 25.600€).

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)