Brasil

Supremo Tribunal nega novo pedido de liberdade a Lula da Silva

108

O Supremo Tribunal Federal do Brasil negou um novo pedido de liberdade para Lula da Silva. Em janeiro, o ex-Presidente foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Lula da Silva foi condenado a 12 anos e um mês de prisão em janeiro, em regime fechado, por corrupção e lavagem de dinheiro, num caso relacionado com o escândalo Lava Jato

Sebastiao Moreira/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um juiz do Supremo Tribunal Federal do Brasil negou na sexta-feira um novo pedido de liberdade para o ex-Presidente Lula da Silva, detido em abril por uma sentença de 12 anos e um mês de prisão por corrupção, informaram fontes oficiais.

A decisão foi tomada pelo juiz Alexandre de Moraes, que também arquivou todas as reclamações da defesa contra o seu colega Luiz Edson Fachin, instrutor no Supremo dos processos relacionadas com o escândalo de corrupção descoberto na Petrobras, pelo qual foi condenado antigo presidente.

Alexandre de Moraes negou o recurso apresentado pelos advogados, que pediram ao mais alto tribunal do país a libertação de Lula da Silva até à resolução de um outro recurso pendente, que o próprio Luiz Edson Fachin mandou analisar pelo plenário do tribunal, composto por 11 juízes.

O Supremo Tribunal vai entrar em férias durante todo o mês de julho, pelo que o assunto só poderá ser retomado em agosto.

Lula da Silva foi condenado a 12 anos e um mês de prisão em janeiro, em regime fechado, por corrupção e lavagem de dinheiro, num caso relacionado com o escândalo Lava Jato, a investigação sobre casos de corrupção em várias empresas brasileiras, e encontra-se a cumprir pena desde 07 de abril, em Curitiba.

O caso envolve um apartamento de luxo na cidade brasileira do Guarujá, que terá sido dado a Lula da Silva como suborno pela construtora OAS, em troca de vantagens em contratos com a petrolífera estatal Petrobras.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)