Rádio Observador

Tech Auto

Milagre! ZF transforma modelos baratos em híbridos

A fabricante alemã propõe uma solução chave-na-mão que torna os modelos baratos em híbridos ou híbridos plug-in, como que por magia. A eAMT pode (ainda) oferecer tracção 4x4. O “truque” é eléctrico.

Existem diferentes tipos de transmissão, desde logo manual ou automática. Nestas últimas integram-se soluções como as caixas de dupla embraiagem, as CVT de variação contínua, as automáticas com conversor de binário e as robotizadas, cuja principal vantagem reside no preço: este sistema é (bem) mais barato que os restantes, pois trata-se de uma caixa manual convencional, em que as funções de accionar a embraiagem e trocar de mudança estão a cargo de uma solução automatizada.

O problema é que as transmissões robotizadas, que tradicionalmente equipam modelos mais acessíveis, não reúnem propriamente uma legião de adeptos, sendo-lhe criticado (sobretudo) o funcionamento rude, com passagens de caixa que pouco primam pela suavidade e que, regra geral, têm compassos de espera demasiado grandes entre uma mudança e outra. Pois bem, a boa notícia chega-nos via ZF, com a conhecida empresa alemã de transmissões, que fornece caixas de velocidade a diferentes marcas automóvel, a anunciar que desenvolveu uma solução chave-na-mão que não só resolve as transições pouco suaves, como ainda pode oferecer tracção integral e modo 100% eléctrico, para circular na cidade sem poluir. Mas as promessas não se ficam por aqui, pois também os consumos saem beneficiados.

Vamos por partes. A ZF agarrou no Dacia Duster, um dos SUV pequenos mais baratos (e vendidos) no mercado e equipou-o com um sistema que denomina de eAMT (electrified Automated Manual Transmission). Partindo do Duster com tracção à frente, monta no eixo traseiro um motor eléctrico ligado a um sensor na caixa de velocidades robotizada. Quando o sensor detecta que a embraiagem foi accionada, a que se segue o vazio entre passagens de caixa, entra em função o motor eléctrico, que desta forma assegura transições mais suaves.

As vantagens não se ficam por aqui, pois o mesmo motor eléctrico pode momentaneamente converter um 4×2 num tracção integral, se as condições assim o exigirem. Ou, ainda, dar um boost de potência extra nas ultrapassagens. Mais, pode até assumir as despesas da deslocação a baixa velocidade ou em trajectos curtos, movimentando o Duster em modo 100% eléctrico, o que é particularmente interessante para evoluir em modo zero emissões no pára-arranca do trânsito citadino, sem poluir e sem gastar combustível. Segundo a ZF, basicamente a eAMT permite que um veículo convencional possa funcionar como um híbrido comum, ou até plug-in, cabendo aos construtores escolher que aptidões querem para os seus modelos. Em função disso, só têm depois de decidir qual a capacidade da bateria que alimenta o motor eléctrico, a potência deste e a forma como as baterias são recarregadas.

Sobre valores nem uma palavra, com a companhia alemã a dar a entender que esta sua proposta vem libertar os fabricantes de custos de desenvolvimento e, simultaneamente, facilitar a hibridização de modelos mais acessíveis, pois não são precisas novas plataformas para acolher o sistema eAMT.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)