Teatro

“Cartas” entre Maria Helena Rodrigues e Amílcar Cabral em cena no Clube Estefânia

377

A correspondência trocada entre Amílcar Cabral e Maria Helena, sua primeira mulher, constituem o universo da peça "Cartas", que vai estar em cena na Escola de Mulheres, no Clube Estefânia, em Lisboa.

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A correspondência trocada entre Amílcar Cabral e Maria Helena, sua primeira mulher, constituem o universo da peça “Cartas”, que vai estar em cena na Escola de Mulheres, no Clube Estefânia, em Lisboa, de quinta-feira a domingo.

Na base desta criação, com direção artística de João Branco e Cátia Terrinca, estão as cartas, datadas de 1946 a 1960, trocadas entre Maria Helena Rodrigues e o líder da independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde, Amílcar Cabral.

Muitas das cartas deste período “perderam-se nas viagens, na fuga, na luta e no esquecimento”, observam os criadores, para sustentarem o facto de a peça pôr em cena “lacunas, os espaços entre o desfoque e a nitidez, o movimento da memória em direção ao corpo”, construindo uma “recordação efémera de um homem e de uma mulher, na correspondência trocada entre eles”.

Por isso, “Cartas” não é apenas um espetáculo-memória sobre dois seres, mas também uma revisitação ao imaginário de um amor imenso de um casal, ao qual foram impostas inúmeras barreiras e situações de ausência dolorosa, a que não foi alheia a luta travada por Amílcar Cabral pela independência da África lusófona, contra o colonialismo.

Nascido em 1924, em Bafatá, na então Guiné, atual Guiné-Bissau, Amílcar Cabral, filho de pais cabo-verdianos e cabo-verdiano de coração, fez o liceu no Mindelo, e fixou-se em Lisboa, de 1946 a 1952, onde estudou e se formou, trabalhou e se casou, com Maria Helena Rodrigues, uma portuguesa natural de Chaves, sua colega no Instituto Superior de Agronomia — onde o político estudou como bolseiro de 1946 a 1950 –, uma das primeiras mulheres agrónomas em Portugal.

“Cartas” baseia-se sobretudo nas cartas de Maria Helena a Amílcar Cabral. Mas é impossível assistir a este espetáculo sem pensar no livro “Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena. A outra face do homem”, editado em 2016, pela Rosa de Porcelana, e que acaba por desvendar facetas menos conhecidas do líder da guerra de libertação.

A partir das cartas que escreveu a Maria Helena Rodrigues — a primeira datada de 1946 –, é possível reconstituir a biografia e a história do homem a quem chegaram a chamar a “mais bela figura revolucionária” que África produzira.

O intervalo temporal acompanha o regresso à Guiné, em 1952, que percorre durante o recenseamento agrícola, segue o caminho que desembocará na luta armada e na fundação do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), assim como a sua permanência em Angola, onde acabou por ajudar a formar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

E tudo se vislumbra nas cartas trocadas entre Amílcar Cabral e a mulher que foi também a mãe da sua filha, Iva Cabral.

Em prosa ou poesia, tudo de revela na obra com as missivas trocadas até 1960, quando o líder africano abandonou definitivamente Lisboa, mudando-se para Paris, onde Maria Helena e filha a ele se iriam juntar, seguindo-se África.

Data de abril de 1960, a última carta que Amílcar Cabral escreve a Maria Helena, em que diz “Tenho na algibeira a passagem para a viagem definitiva. Tenho também a ordem das passagens para ti e para Mariva [como chamava à filha]. Chegou, portanto, o momento de tomarmos algumas decisões fundamentais para o nosso futuro, para a vida”.

“O nosso caminho é sempre para a frente, e não podemos pensar em voltar para trás”, escreve Amílcar Cabral nessa carta, três anos antes de o PAIGC iniciar a luta armada pela independência, na Guiné Bissau, em janeiro de 1963.

“Eu tinha saudades de uma carta. Eu tenho saudades suas, acabou-se a tinta da caneta e aqui só há desta cor”, escuta-se na peça, numa recriação de uma carta que Maria Helena Rodrigues escreveu a Amílcar Cabral.

Maria Helena Rodrigues só viria a regressar a Portugal após o 25 de Abril de 1974. Fixou-se em Braga, lecionou na Universidade do Minho e morreu em 2005.

Amílcar Cabral foi assassinado em 20 de janeiro de 1973, por um seu guarda-costas, em Conacri, em circunstâncias ainda por esclarecer, impossibilitando o líder africano de assistir à independência por que tanto lutara, e que as Nações Unidas viriam a reconhecer ainda em 1973, cerca de um ano antes de Portugal o fazer.

O processo de trabalho de “Cartas”, uma criação coletiva, começou com uma residência artística no Mindelo, em Cabo Verde, com o apoio do Centro Cultural Português e da Academia Livre de Artes Integradas do Mindelo (ALAIM), a convite do Festival Mindelact, entre outubro e novembro de 2017.

A primeira versão da peça foi encenada por João Branco e apresentada em antestreia a 06 de outubro de 2017, no Mindelact, em coprodução com o Grupo de Teatro do Centro Cultural Português — Pólo do Mindelo (GTCCPM), de que o encenador é mentor e fundador.

Com dramaturgia de Celeste Forte e Sofia Berberan, que também assina a fotografia de cena, cenografia de Ricardo Guerreiro Campos, sonoplastia de José Bica e vídeo de Ângelo Lopes, “Cartas” é um projeto de UmColetivo e do GTCCPM.

Com desenho de luz e design gráfico de João P.Nunes, “Cartas” tem representações na quinta-feira, sexta-feira e sábado, às 21:30, e no domingo (dia 08), às 18:00.

Em janeiro do próximo ano, de acordo com a companhia, a encenação de “Cartas” regressa a Cabo Verde.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)