Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A partir de 1 de setembro, os alunos e professores da Metropolitana estão interditos de usarem o telemóvel nas salas ou, mesmo, nos corredores da instituição. O uso destes aparelhos será restringido às salas de alunos e de professores, refere um comunicado enviado esta segunda-feira pelo diretor executivo daquela instituição cultural, António Mega Ferreira.

Segundo o comunicado, a que o Observador teve acesso, é “proibida a utilização de telemóveis (emissão e receção de chamadas e SMS)”. No texto enviado aos alunos, professores e funcionários, a frase é mesmo sublinhada. Mas há locais onde podem ser usados: na sala de professores e músicos da Orquestra Metropolitana de Lisboa, no segundo andar, na sala de alunos da Academia Nacional Superior de Orquestra (ANSO), no piso térreo, e na sala de alunos da Escola Profissional Metropolitana (EPM), no primeiro andar.

Os funcionários e administrativos também vão enfrentar as mesmas restrições. Neste caso, e como o telemóvel poderá ser encarado como um instrumento de trabalho, só poderão efetuar chamadas telefónicas e enviar mensagens a partir do seu local do trabalho. Já no exterior do edifício, todos podem usar o telefone à vontade.

Contactado pelo Observador, António Mega Ferreira diz que esta nova regra não é uma novidade da Metropolitana. “Acontece já em vários países da Europa e nalguns colégios particulares em Portugal”, disse. A medida, esclareceu, foi adotada depois de perceber que havia “alunos que passavam as aulas a mandar e a receber mensagens”. “Não pode ser, não é possível! Esta decisão serve para favorecer a concentração dos alunos no período das aulas”, acrescentou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mega Ferreira reforça também que não quer que professores, alunos e funcionários “andem pelos corredores a falar ao telemóvel”, por isso definiu lugares próprios para esse efeito: uma sala em cada piso. Por outro lado, considerou algumas exceções a serem consideradas e devidamente autorizadas pelos professores: o uso de computadores e de tablet. “Há numerosas partituras usadas nalgumas aulas práticas que são digitalizadas e cujo acesso é mais prático através do tablet ou do computador, mas os professores têm que autorizar”, esclareceu.

Alguns alunos e pais não veem a decisão com bons olhos. “Antes de proibir tem que se falar com as pessoas, temos que saber lidar com a realidade e não proibir só por proibir. Parece que continuamos no século XIX”, disse um pai ao Observador, que prefere não ser identificado para a filha não enfrentar qualquer problema naqueles estabelecimento de ensino. “Estamos a falar de adultos e não de crianças”, disse.

A Metropolitana é uma instituição cultural sem fins lucrativos, que nasceu em 1992 com o objetivo de divulgar e ensinar música clássica. Gere três orquestras – a Orquestra Metropolitana de Lisboa, a Orquestra Académica Metropolitana e a Orquestra Sinfónica Metropolitana – e três escolas: a Academia Nacional Superior de Orquestra (ensino superior), o Conservatório de Música da Metropolitana (nível básico e secundário) e a Escola Profissional Metropolitana (ensino integrado).

Segundo a lei, os telemóveis são vistos como equipamentos, pelo que cada escola tem autonomia própria para definir se são ou não permitidos pelos seus alunos e pessoal docente e administrativo.

Esta medida é semelhante à adotada recentemente em todas as escolas francesas que, a partir de setembro, vão proibir o uso de telemóveis nas aulas e nos intervalos nas escolas.

França aprova lei que proíbe utilização de telemóveis nas escolas. Uma “medida de desintoxicação”