Ontem, o CEO da Tesla voltou a usar o Twitter para anunciar que finalmente a marca norte-americana de veículos eléctricos alcançou o objectivo a que se propôs para fazer face às mais de 450 mil unidades do Model 3 reservadas. Ou seja, numa semana, saíram da linha de produção mais de 5.000 exemplares do eléctrico mais barato da marca, meta essa que a Tesla vem perseguindo há meses e que, inclusivamente, obrigou Musk a abraçar uma política de despedimentos, entre outras medidas, para resolver os estrangulamentos na linha.

Recorde-se que o objectivo de produzir 5.000/Model 3 por semana foi anunciado por Elon Musk, no dia 22 de Fevereiro de 2017. A meta seria alcançar esses números no final do ano passado, objectivo que foi posteriormente revisto, sendo adiado para o segundo semestre deste ano. Foi, por isso, atingido seis meses depois daquilo que havia sido inicialmente estipulado, o que não deixa de constituir um marco, na medida em que retira a Tesla da esfera dos pequenos fabricantes, pois o construtor conseguiu em sete dias fabricar 7.000 carros, somando as mais de 5.000 unidades do Model 3 à produção dos Model S e X.

No entanto, embora esta conquista possa vir a trazer alguma paz de espírito aos investidores, e aos próprios clientes da marca – alguns cansaram-se de esperar e retiraram a encomenda –, pairam algumas dúvidas sobre esta boa nova, havendo quem duvide que este ritmo seja sustentável. A Automotive News, por exemplo, lembra a propósito que Musk é pródigo na arte de testar os limites da capacidade de produção, com o objectivo de perceber que máximo pode alcançar. Segundo o InsideEVs, estes 5.000 Model 3 numa semana terão resultado de um “exercício” desse tipo, com reforço de pessoal, mudanças de turnos, etc. Daí que o site americano, tradicionalmente muito bem informado em tudo o que se relaciona com a Tesla, garanta que nos próximos sete dias não vai voltar a acontecer…