Rádio Observador

Presidente Trump

Se Trump taxar os carros, a Europa irá retaliar contra 300 mil milhões em produtos dos EUA

894

Depois de Trump dizer que "a Europa é, provavelmente, tão má quanto a China. Só é mais pequena", a Comissão Europeia avisa que irá retaliar com taxas sobre produtos no valor de 300 mil milhões.

MICHAEL REYNOLDS/EPA

“A Europa é, provavelmente, tão má quanto a China. Só é mais pequena”, atirou Donald Trump em declarações à Fox News sobre o tema da chamada “guerra comercial” iminente. Os comentários do presidente norte-americano levam a crer que podem ser anunciadas, nas próximas semanas, novos aumentos das taxas aduaneiras no comércio entre os dois blocos — uma expectativa que está a amargurar o desempenho das bolsas de valores nesta primeira sessão da segunda metade do ano. Um setor que parece estar na mira de Trump é o setor automóvel, mas a Comissão Europeia já avisou que se Trump agravar esse imposto aduaneiro irá haver uma retaliação sobre produtos norte-americanos que valem 300 mil milhões de dólares.

Já terá desvanecido qualquer efeito das “explicações” de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o que une os EUA e a Europa, já que Donald Trump voltou a retratar a União Europeia como uma inimiga que é desfavorável aos interessas dos EUA. “É terrível o que nos fazem — são tão maus como a China, só mais pequenos”, comentou o presidente norte-americano, em entrevista à Fox News (a parte em que Trump fala sobre a Europa começa aos 13m47s, aproximadamente).

Questionado pela jornalista sobre a relação com os “aliados” europeus, Trump interrompe e responde: “desculpe, a União Europeia é possivelmente tão má quanto a China. É terrível o que nos fazem”. “Veja o exemplo dos carros”, defende Trump — “eles mandam os Mercedes deles para cá e nós não podemos mandar para lá os nossos carros”.

Outro exemplo: “o que fazem com os nossos agricultores. Eles não querem os nossos produtos lá, porque protegem os agricultores deles. Nós não protegemos os nossos e eles protegem os deles”, defende Donald Trump. “No ano passado, se olharmos para a balança comercial — que eu, pelo menos, acho que é uma coisa importante — a Europa ganhou 151 mil milhões de dólares”, comentou Trump, comentando que “ama” os países como a Alemanha e a Escócia “mas eles tratam-nos muito mal”.

Além disso, lembra Trump, “gastámos uma fortuna com a NATO, para os proteger”.

Se Trump avançar com um imposto agravado sobre as importações norte-americanas de carros, a Comissão Europeia não deixará de reagir, tornando a “guerra comercial” um cenário cada vez mais real. Segundo o Financial Times, tal iniciativa de Trump irá levar a uma retaliação global capaz de afetar as exportações norte-americanas no valor de 300 mil milhões de dólares. O impacto será sentido “em vários setores da economia norte-americana”, estando em causa algo como 19% das exportações do país no ano passado.

O aviso está numa carta enviada ao Departamento do Comércio norte-americano, a que o diário financeiro londrino teve acesso. Depois das taxas aplicadas ao aço e ao alumínio, a Comissão Europeia avisa que a decisão de Trump pode “resultar em mais uma violação da lei internacional” por parte dos EUA, além de “danificar ainda mais a reputação” do país.

As empresas norte-americanas do setor, como a General Motors, têm feito avisos repetidos ao presidente norte-americano de que as taxas aduaneiras irão aumentar os preços dos veículos em milhares de dólares, penalizando a competitividade da empresa. Já a alemã BMW, que produz carros na Carolina do Sul e exporta 70% da produção, também avisou que estarão em risco muitos empregos se forem aplicadas as tarifas aduaneiras de que Trump fala há várias semanas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)