Infarmed

Câmara do Porto reclama sede do Infarmed já a partir de 1 de janeiro de 2019

A Câmara Municipal do Porto recomendou esta terça-feira ao Governo, com a abstenção da CDU, que a sede do Infarmed seja transferida para a cidade a partir de dia 1 de janeiro de 2019.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara Municipal do Porto recomendou esta terça-feira ao Governo, com a abstenção da CDU, que a sede do Infarmed seja transferida para a cidade a partir de dia 1 de janeiro de 2019.

A moção da autoria do movimento “Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido”, apresentada em reunião do executivo municipal, sugeriu ainda ao Ministério da Saúde para estabelecer um calendário definitivo ao processo de localização dos seus principais serviços no Porto e, que tal ocorra o mais rapidamente possível, tendo em conta os resultados presentes no relatório do grupo de trabalho.

O grupo de trabalho criado para avaliar o impacto da mudança do Infarmed de Lisboa para o Porto considerou, num relatório divulgado pelo Jornal de Notícias na semana passada, que a deslocalização pode melhorar o funcionamento do instituto ao nível da produtividade.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/infarmed/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”547″ slug=”infarmed” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/infarmed/thumbnail?version=1529415444104&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

A deslocalização “trará maior produtividade e eficiência, nomeadamente com a construção de instalações mais adequadas do que as atuais, no Parque de Saúde, em Lisboa”, refere o grupo de trabalho, no documento.

Para a comissão de trabalhadores, que ainda não recebeu esse relatório, tais conclusões são “vazias”, indicando que o facto de funcionar em três edifícios diferentes nunca foi um problema, porque estão situados a poucos metros uns dos outros. De acordo com o documento, o investimento será de cerca de 17 milhões de euros, mas, “ao fim de 15 anos, poderá gerar uma poupança de 8,4 milhões”, o que a comissão de trabalhadores considera que não é uma vantagem, é muito pouco.

O presidente da câmara, o independente Rui Moreira, explicou que colocou como data 01 de janeiro porque foi a prometida pelo ministro da Saúde. Por seu lado, o vereador socialista Manuel Pizarro mostrou dúvidas quanto a esta exigência, dizendo ter reservas que essa se torne em algo útil.

Já o social-democrata Álvaro Almeida recordou que a transferência é o único ato formal do Governo de António Costa, sublinhando que há duas coisas que tem de acontecer até 01 de janeiro: a mudança da sede formal e o início das obras de reabilitação do edifício para o efeito.

Justificando a abstenção à moção, a vereador da CDU Ilda Figueiredo considerou que não há condições para que mudança se concretize no primeiro dia do ano, assumindo já o ter dito ao Governo. A comunista vincou que “não faz sentido nenhum” apontar nenhuma data sem, antes, acautelar o direito dos trabalhadores e os próprios utentes do serviço, sendo por causa deste “problema de fundo” que decidiu não votar favoravelmente.

Num inquérito a que responderam 85,4% dos 356 trabalhadores do Infarmed, 299 estão contra a mudança e apenas três a favor. Mais de 92% declararam não estar disponíveis para se mudar para o Porto e 97% considera que teria impacto negativo na missão e desempenho do Infarmed.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)