Saúde

Ministro diz que hospitais estão em situação normal e que contratações estão em curso

104

Adalberto Campos Fernandes entende que a "esmagadora maioria das situações" nos hospitais, com a passagem às 35 horas de enfermeiros, técnicos e assistentes a 1 de julho, está a "correr normalmente".

NUNO FOX/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 1.600 profissionais de saúde foram contratados até maio para responder à passagem às 35 horas semanais de trabalho e a maioria das 2.000 contratações adicionais já foi autorizada, disse o ministro da Saúde.

Adalberto Campos Fernandes entende que a “esmagadora maioria das situações” nos hospitais, com a passagem às 35 horas de enfermeiros, técnicos e assistentes a 1 de julho, está a “correr normalmente”.

“Existem mais 50 hospitais e Unidade Locais de Saúde em Portugal e até agora terão sido identificadas uma ou duas situações [com problemas], mas o sistema está preparado para que, nas instituições onde possa ter havido uma menor aferição do planeamento, essas situações serão corrigidas. A esmagadora maioria das situações está a correr normalmente”, afirmou o ministro da Saúde aos jornalistas, no final de uma conferência da indústria farmacêutica que decorreu em Lisboa.

Campos Fernandes disse que até maio foram contratados 1.600 profissionais já a pensar na passagem às 35 horas de trabalho semanais e que haverá agora uma nova fase de recrutamento de cerca de 2.000 profissionais. Até terça-feira, segundo o governante, estavam autorizadas 1.300 dessas 2.000 profissionais e “hoje durante o dia serão autorizadas as restantes”.

Além disso, o ministro indicou que “todos os hospitais têm bolsas de recrutamento” que podem ativar. “Até ao final da semana todas as contratações estarão na decisão dos hospitais”, prometeu, explicando que as unidades de saúde “tiveram um conjunto de recursos que lhes foi atribuído” e, dentro dele, escolhem quantos enfermeiros, farmacêuticos ou técnicos recrutam. Questionado se esse planeamento não deveria ter sido feito mais cedo, o ministro negou qualquer atraso.

“Não há necessidade de criar um clima de alarmismo artificial”, respondeu, adiantando que o processo foi preparado “nos mesmos termos” do que ocorreu em 2016, com a primeira passagem das 40 para as 35 horas de trabalho semanais dos profissionais de saúde.

Adalberto Campos Fernandes repetiu o que tem afirmado nas últimas semanas, frisando que o Governo está a fazer “um trabalho de rigor”, em conjunto com os hospitais, para perceber as necessidades de profissionais.

“É um trabalho que está a ser feito com rigor. Temos todos de perceber que tem de haver bom senso. Não podemos satisfazer tudo o que é a consideração ideal das necessidades”, disse. Reiterando a ideia de um “trabalho feito com rigor”, o ministro invocou que “a tradição” era “fazer uma conta e escrever um número no final da linha”.

As estruturas representativas de enfermeiros, médicos técnicos e administradores hospitalares têm-se manifestado apreensivas com a forma como foi preparada a passagem às 35 horas semanais a partir de 1 de julho, temendo a redução da atividade programada, como de cirurgias, e mesmo rutura de serviços.

Hoje, o ministro da Saúde indicou que a escolha do dia 1 de julho para iniciar o regime das 35 horas de trabalho semanais resultou do facto de os hospitais reduzirem habitualmente a sua atividade programada nos meses de férias de verão.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)