Guiné-Bissau

Ministro do Comércio guineense nega acusações de agricultores sobre mau preço na compra do caju

O ministro do Comércio guineense negou as acusações de vários agricultores do país que o responsabilizam pelo "mau preço" na compra do principal produto agrícola e de exportação da Guiné-Bissau.

PEDRO SA DA BANDEIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ministro do Comércio guineense, Vicente Fernandes, negou as acusações de vários agricultores do país que o responsabilizam pelo “mau preço” na compra da castanha do caju, principal produto agrícola e de exportação da Guiné-Bissau.

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, fixou o preço de mil francos CFA (cerca de 1,5 euros) para compra de cada quilograma da castanha, mas passados alguns meses sem que o produto fosse comprado pelos comerciantes, o novo ministro do Comércio, Vicente Fernandes, sob orientação do Governo, liberalizou o preço.

Nos últimos dias, a castanha tem sido comprada a 400 ou 500 francos CFA, o quilo, o que para muitos agricultores foi uma situação provocada pelo pronunciamento do ministro que acusam de “estragar a campanha”. “Estão a dizer que estraguei a campanha. Não é bem assim. Eu fui o bombeiro da campanha, quando vi que ela ia ser estragada por outros”, declarou Vicente Fernandes, num encontro, em Gabu, no leste da Guiné-Bissau, com alguns camponeses.

“Eu não posso tratar mal os camponeses, porque também sou filho de um camponês. O meu pai, infelizmente já falecido, trabalhou, duro, no campo como vocês para que eu possa ser hoje um doutor. É isso que quero para vocês, que consigam ter as mesmas oportunidades de mandar os vossos filhos para escola”, observou o governante.

Vicente Fernandes acusou o Presidente guineense de estar a utilizar a campanha de comercialização da castanha de caju para visar a sua reeleição em 2019. “Há uma pessoa que quer atirar a poeira para os olhos do povo, porque quer garantir a sua reeleição enquanto Presidente da República no próximo ano, por isso quer enganar o povo com isto da castanha do caju”, destacou Fernandes.

O ministro disse que ainda não estava no Governo, mas já defendia que o preço de mil francos CFA por quilo não ia resultar. Vicente Fernandes pede aos camponeses que vendam a castanha “enquanto é tempo”, antes que a chuva se intensifique no país, caso contrário os compradores indianos e vietnamitas irão recusar o produto.

“Com a chuva o indiano ou o vietnamita, que têm o dinheiro, começam a dizer ‘no good, no good’ (‘não é bom, não é bom’) e não compram mesmo. Aí o Estado não pode fazer nada para os obrigar a comprar”, alertou Fernandes, exortando os camponeses a não darem ouvidos “aqueles que enganam”, com “promessas de milagres”. O governante referia-se ao preço de mil francos CFA o quilo, que disse, “nunca vai chegar”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)