Agricultura

Produção nacional de batata em risco devido a traça da Guatemala

Batata nacional em risco devido à traça da Guatemala. Secretária-geral da associação do setor diz que há risco de "efeitos económicos muito graves".

António Cotrim/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária-geral da associação Porbatata disse esta quarta-feira que a produção nacional de batata está em risco de ser afetada pela traça da Guatemala, provocando “efeitos económicos muito graves”. Sandra Pereira alertou para a necessidade de apoios económicos.

“É uma praga devastadora a nível dos tubérculos, nos campos como em armazém. Destrói as culturas quase por inteiro e, por esse motivo, nós estamos muito preocupados porque esta situação poderá levar a efeitos económicos muito graves […]. Uma das nossas principais lutas é que, se a praga entrar [em Portugal], possa haver alguma compensação para os produtores e armazenistas”, disse a responsável.

Esta é uma praga de quarentena. Como o nome indica, a origem é da América Central. Veio para as Canárias e, posteriormente, entrou no norte de Espanha. Existe o risco de chegar a Portugal devido até aos circuitos comerciais”, explicou.

De acordo com a responsável, Portugal já tem um plano de contingência para a praga, da responsabilidade da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), que prevê “medidas de contenção e monitorização da praga”, de forma a prevenir a sua chegada a Portugal ou a minimizar os estragos.

“Se a praga entrar em Portugal, deverão ser tomadas medias muito drásticas”, alertou. No entanto, a secretária-geral da Porbatata referiu que, neste momento, a única medida que pode ser tomada é a prevenção, sublinhando que esta praga confunde-se com a vulgar traça da batata, o que dificulta a identificação por parte dos produtores.

“A DGAV e o Ministério da Agricultura estão a fazer a monitorização e têm colocado armadilhas nas zonas de possível entrada do inseto. É o que pode ser feito neste momento”, sublinhou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

O Observador e os abusos na Igreja

Miguel Pinheiro

Como foi feito e por que foi feito o trabalho especial do Observador sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa? Quais são as dúvidas e críticas dos leitores? E quais são as nossas respostas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)