Porto

Rui Moreira lamenta “rótulos colados” ao Porto pela agressão à jovem luso-colombiana

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, considerou "lamentável" que a agressão à jovem de ascendência colombiana tenha "colado rótulos à cidade, à STCP e aos seus trabalhadores".

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, considerou “lamentável” que o episódio de agressão à jovem de ascendência colombiana tenha “colado rótulos à cidade, à STCP [Sociedade de Transportes Coletivos do Porto] e aos seus trabalhadores”.

Tentarem por razões, seja de eleitoralismo, seja de populismo ou demagogia, colar rótulos à cidade, à STCP e aos seus trabalhadores, parece-nos absolutamente lamentável”, sublinhou esta terça-feora Rui Moreira à margem do encontro com a Comissão de Trabalhadores e Conselho de Administração da STCP.

Nicol Quinayas, de 21 anos, nascida em Portugal, mas de ascendência colombiana alega ter sido violentamente agredida e insultada na madrugada de 24 de junho, no Porto, por um segurança da empresa 2045 a exercer funções de fiscalização para a empresa STCP.

Depois do encontro, o autarca afirmou ainda que “todos lamentam” o sucedido, mas que “poderia ter ocorrido em qualquer sítio do mundo” e que “todos são suscetíveis a situações desta natureza”. Um dos elementos da Comissão de Trabalhadores da STCP, Pedro Silva, lamentou também “a colagem da STCP” à agressão da jovem na noite de 24 de junho, afirmando que a empresa não teve “qualquer tipo de envolvência” e que “a verdade se irá provar”.

“O que nos cria alguma incredibilidade é que a empresa é centenária e tem uma obrigação não só de mobilidade, mas social, na cidade e concelhos adjacentes e, até ao momento, nunca houve qualquer tipo de incidente desta natureza”, frisou o trabalhador. Isabel Botelho Moniz, do Conselho de Administração da STCP, afirmou que o “processo interno junto dos trabalhadores está na fase final” e que a empresa vai aguardar as averiguações das outras entidades envolvidas.

Quanto à renovação do contrato com a empresa de segurança privada, 2045, Isabel Botelho Moniz afirmou que “a decisão de não renovar já estava tomada antes da situação” e que, em setembro, a STCP vai realizar um contrato com “uma nova empresa”.

Questionada sobre o possível pedido de indeminização à empresa de segurança privada por danos causados na imagem e reputação da STCP, a administração avançou que para já vão aguardar pelos resultados do processo. Rui Moreira elogiou o Conselho de Administração e os trabalhadores da STCP, que “tudo têm feito no sentido de garantir a normalidade da operação”, assim como o Ministério da Administração Interna, pela abertura do inquérito.

A Câmara do Porto condenou na terça-feira de forma “veemente” a agressão, classificando o sucedido como um “intolerável ato de violência racista”. Em comunicado enviado esta terça-feira à Lusa, a STCP anunciou que abriu um “processo interno” para averiguação junto dos seus trabalhadores que estavam de serviço na noite de 24 de junho.

A empresa de transportes esclarece que o referido inquérito foi aberto “antes de qualquer divulgação nos media e imediatamente após ser informada” da agressão à jovem por um agente de uma empresa contratada para prestar “Serviços de Fiscalização de Título de Transporte e de Vigilância em Autocarros”, a 2045, tendo ainda “exigido” que o segurança em causa deixasse, até esclarecimento da situação, de prestar qualquer serviço à STCP.

O Ministério Público abriu já um inquérito para investigar o caso, revelou na semana passada a Procuradoria-Geral da República (PGR), numa resposta escrita à Lusa. Depois de o caso se ter tornado público, inicialmente pelas redes sociais e depois pelos jornais, a SOS Racismo condenou a agressão à jovem Nicol Quinayas, que reside em Gondomar, no distrito do Porto.

A Inspeção Geral da Administração Interna abriu já um processo para esclarecer junto da PSP o caso e, numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna (MAI) diz que o ministro Eduardo Cabrita “não tolerará fenómenos de violência nem manifestações de cariz racista ou xenófobo”.

Também a empresa de segurança privada 2045 já anunciou, em comunicado, que iniciou um processo de averiguações interno relacionado com a agressão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)