Faixa de Gaza

Uma engenheira transformou os escombros da guerra em tijolos para reconstruir casas na Faixa de Gaza

321

Majd Mashharawi é engenheira na Faixa de Gaza e criou a "GreenCake", um projeto de construção de tijolos a partir das cinzas, que permite a recuperação de casas no território.

Num território que tem sido dominado pela guerra, a ideia de criar algo novo para reconstruir o que os conflitos deixaram para trás não é uma tarefa fácil. Na Faixa de Gaza, os escombros da ocupação israelita são visíveis e a reconstrução das casas tem sido difícil: os materiais têm de ser importados a um preço alto, são em número limitado e o processo de compra é demasiado burocrático. Foi a partir deste problema que uma engenheira da Universidade Islâmica de Gaza, Majd Mashharawi, decidiu criar um tipo de tijolo diferente a partir dos escombros da guerra.

“De 2014 até 2017, algumas casas foram destruídas e os seus proprietários não conseguem arranjar materiais de construção devido à situação”, disse Majd Mashharawi à Fast Company, uma revista americana.”Quando eu era estudante do quarto ano da faculdade eu pensei ‘Como é que podemos pôr fim a esta miséria?”, acrescentou.

Nos últimos três anos da ocupação israelita na Faixa de Gaza, cerca de 18 mil casas foram destruídas e outras 150 mil ficaram danificadas. Os materiais de construção foram inicialmente barrados em Gaza em 2007, quando Israel determinou que os materiais poderiam ser utilizados com objetivos militares. Depois da guerra, apenas um determinado tipo de produtos foi autorizado a entrar no território, e apenas 33% do cimento que entrou no país foi destinado à reconstrução das casas, diz um relatório do Euro-Mediterranean Human Rights Monitor.

Foi desta necessidade que nasceu a startup  “Greencake”, em português “Bolo Verde”: “bolo” porque é mais leve que o cimento e “verde” porque o produto é amigo do ambiente.  Apesar de não faltar matéria-prima, a construção destes tijolos — que inicialmente foi feita em conjunto com outra colega engenheira — envolveu várias tentativas até chegar à resistência necessária para que fossem tão seguros como qualquer outro tijolo. Começaram em 2014 por utilizar desperdícios de papel (Gaza não tem qualquer sistema de reciclagem), mas o produto era mais caro do que o cimento normal. De seguida, tentaram blocos de argila, mas as altas temperaturas necessárias exigiam muita energia. Foi a partir da experiência com as cinzas que semanalmente são enviadas para aterros às toneladas que a engenheira conseguiu arranjar uma solução.

We have grown from on block to ten to hundred and NOW we are producing thousands of blocks <3 stay tuned for the next stage <3

Posted by GreenCake on Friday, June 29, 2018

“No laboratório onde costumava testar as amostras às vezes faziam pouco de mim. ‘O que estás a fazer? As pessoas vão construir casas de lixo, estás a falar a sério?'”, disse Mashharawi, de 23 anos, à revista, acrescentando que “o começo foi muito difícil”.

Os desafios como mulher

Não foram só os desafios do material que caracterizaram esta jornada de Mashharawi. Na Faixa de Gaza “as pessoas são muito tradicionais: acham que as mulheres devem ficar em casa, cozinhar e ter filhos e não trabalhar como os homens, especialmente no campo da construção”, explicou a engenheira. Sempre que Mashharawi se aproximava dos operários, havia um comentário que ouvia: “Oh senhora, afaste-se para nós podermos fazer o nosso trabalho”. Mashharawi não se afastou e atualmente tem um espaço alugado com 10 pessoas a trabalhar na produção dos tijolos.

“No começo eu não achava que chegaria a esta fase e que conseguiria tudo o que eu sonhava – que seria possível até mesmo viajar, conhecer [pessoas] e obter investimento. Não é impossível se acreditarem nisso”, acrescentou.

Os tijolos amigos do ambiente podem custar metade do preço de um tijolo normal e, embora não sejam uma alternativa tão resistente, permitem enfrentar os desafios que a construção enfrenta na Faixa de Gaza. “A GreenCake é boa desde que tenhamos em conta o processo de constante evolução”, disse a engenheira ao Independent.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)