Assunção Cristas, Nuno Melo e Pedro Mota Soares, dirigentes nacionais do CDS, vão estar no sábado espalhados por várias bombas a pressionar uma vez mais para a revogação da taxa sobre os combustíveis (ISP), num momento em que o seu projeto de lei está a ser debatido na especialidade no Parlamento.

Não é a primeira vez que o partido centrista lança este tipo de iniciativa. A líder do CDS convocou os jornalistas no ano passado para captarem o momento em que a deputada atestou o seu carro numa bomba de gasolina em Alvalade, com o intuito de provar que com o aumento do preço do petróleo não havia “necessidade de fazer essa correção”.

Cristas foi pôr gasolina para mostrar que a austeridade “não acabou”

Este imposto tem sido o cavalo de batalha do CDS no último ano. É a quarta vez que o CDS propôs a revogação do ISP. Recorde-se que há dois meses o partido lançou um site que permite saber quanto do preço da gasolina, do gás e do gasóleo são, afinal, impostos.