Hollywood

Scarlett Johansson criticada por interpretar papel de homem transexual

Scarlett Johansson tem sido muito criticada, em especial por parte de atores trans, por ter aceitado interpretar um homem transexual no filme "Rub & Tug". A atriz já respondeu à polémica.

Scarlett Johansson será Dante "Tex" Gill no filme "Rub & Tug"

Noam Galai/Getty Images for New York Magazine

A atriz Scarlett Johansson está a ser alvo de várias críticas depois de surgirem notícias de que iria representar um homem transexual no filme “Rub & Tug”. Muitos atores trans recorreram às redes sociais para criticar a escolha da atriz de filmes como “O Amor é um Lugar Estranho” e “Avengers” para interpretar Dante “Tex” Gill, uma mulher que se identificava como homem e que geria uma rede de prostituição através de salões de massagens ilegais em Pittsburgh (Estados Unidos) nos anos 70, lê-se na Sky News.

Jamie Clayton, atriz que interpretou Nomi Marks, uma bloguer transgénero, na série “Sense8” falou das dificuldades que os atores trans enfrentam. “Atores trans nem sequer têm uma audição para o que quer que seja sem ser personagens trans. Esse é o verdadeiro problema. Nem sequer entramos nas salas [de audições]. Façam audições a atores que são trans para personagens não trans. Desafio-vos”, lê-se no tweet.

Também a atriz Trace Lysette, uma mulher transgénero que participou na série “Transparent”, sublinhou o facto de os atores trans não poderem interpretar mulheres ou homens cisgénero, isto é, que não se identificam com o género que lhes foi atribuído à nascença. “Não ficaria chateada se entrasse nas mesmas salas que Jennifer Lawrence e Scarlett para papéis cis, mas sabemos que não é caso. Uma confusão.”

“E não só nos interpretam e nos roubam a narrativa e a oportunidade como se congratulam com troféus e prémios por imitar aquilo que nós vivemos… tão perverso. Estou tão farta…”, acrescentou ainda a atriz.

Scarlett Johansson já reagiu à polémica através do seu representante, adianta o site Bustle. “Digam-lhes que podem pedir comentários aos representantes de Jeffrey Tambor, Jared Leto e Felicity Huffman.”

Todos os atores referidos no comentário de Johansson já interpretaram personagens trans. Jeffrey Tambor era Maura Pfefferman, uma mulher transgénero, na série “Transparent”, tendo vencido dois prémios Emmy com a sua interpretação. De ressalvar, contudo, que Tambor acabou por ser despedido da série após ter sido acusado de assédio.

A interpretação de Jared Leto de uma mulher trans no filme “Dallas Buyers Club” valeu-lhe um Óscar de Melhor Ator Secundário em 2014. Também Felicity Huffman interpretou uma mulher transgénero em 2005 no filme “Transamerica”.

E estão longe de ser os únicos. A atriz Hilary Swank venceu o Óscar de Melhor Atriz em 2000 pelo seu papel de um rapaz trans no filme “Os rapazes não choram”. Em “Breakfast on Pluto”, Cillian Murphy é Patrick ‘Kitten’ Braden, uma mulher trans. Mais recentemente, Eddie Redmayne foi nomeado para um Óscar pelo filme “A Rapariga Dinamarquesa”, em que fez de mulher transgénero. Já Elle Fanning, no filme “3 Gerações”, interpreta um adolescente trans.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)