Moçambique

Arranque de projetos de gás natural em Moçambique é oportunidade para empresas portuguesas

O arranque de grandes projetos de gás natural em Moçambique representa uma oportunidade para empresas portuguesas, disse o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

FERNANDO VELUDO/LUSA

O arranque de grandes projetos de gás natural em Moçambique representa uma oportunidade para empresas portuguesas em vários setores, disse esta sexta-feira à Lusa o presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

“Neste último ano temos feito um conjunto de iniciativas com empresas do setor da energia” a propósito do potencial de Moçambique, referiu Luís Castro Henriques, antes do arranque de um seminário empresarial marcado para esta sexta-feira, em Maputo, sobre parcerias e oportunidades naquela área de atividade.

O encontro vai contar com a presença do primeiro-ministro português, António Costa, na sessão de encerramento, no âmbito da visita oficial de dois dias a Moçambique. O seminário deverá juntar 300 participantes, muitos dos quais representantes de empresas portuguesas instaladas em território moçambicano.

António Costa e Filipe Nyusi, presidente moçambicano, sublinharam na quinta-feira a disponibilidade dos governos para facilitar o investimento privado à beira do Índico e esta sexta-feira será a vez de se analisar o prometido tesouro moçambicano.

A AICEP tem realizado ações para “garantir um maior alinhamento entre a cadeia de fornecimento e as novas oportunidades que vão surgir, seja a nível da infraestrutura ou de outras prestações de serviços necessárias aos novos projetos de gás e energia”, explicou Luís Castro Henriques. O tiro de partida para a exploração da Bacia do Rovuma, ao largo da costa Norte de Moçambique, foi dado em 2017 pelo consórcio liderado pela Eni e ExxonMobil (e de que faz parte a portuguesa Galp), pelo que importa “garantir ao máximo boa coordenação para as oportunidades que vão surgir”, acrescentou.

No último ano foi anunciada o início de construção da plataforma flutuante de extração e liquefação de gás natural do projeto Coral Sul da Área 04 de Moçambique e o consórcio pretende avançar em 2019 para novas zonas de perfuração.

Um outro consórcio liderado pela norte-americana Anadarko iniciou no final de 2017 as obras associadas à fábrica de liquefação da Área 01, também na bacia do Rovuma – investimento em que já participam empresas de construção civil portuguesas como subcontratadas.

Estes chamados ‘megaprojetos’ deverão começar a entrar em fase de produção dentro de quatro anos, colocando Moçambique no clube dos fornecedores de gás natural para o resto do mundo.

Trata-se de uma mudança estrutural para o país, pelo que a visita do primeiro-ministro português a Moçambique é “muito relevante e oportuna”, considera Paulo Sousa, presidente da comissão executiva do BCI, um dos maiores bancos moçambicanos, detido a detido a 97% pela Caixa Geral de Depósitos (maioritário) e BPI. “É importante que a visita aconteça num momento como este, em que a realidade económica do país começa a dar novos sinais e onde se perspetiva, a prazo, uma mudança estrutural da economia, com um crescimento seguramente muito forte do PIB e com uma mudança do que são os setores ‘core’ [principais] de atividade”, refere.

Neste cenário, “é importante que as empresas portuguesas, nomeadamente as que estão presentes no mercado moçambicano ou que olham com interesse para este mercado, possam acompanhar este processo e estar preparadas”, sublinha Paulo Sousa.

Para trás ficam dois anos de uma “crise económica profunda, uma crise monetária e uma crise cambial. Um conjunto de medidas foram tomadas e todos estamos a conseguir ultrapassar estes momentos muito difíceis”, acrescenta. “Felizmente temos um setor financeiro com capital português bem preparado, com um bom nível de liquidez e de capitalização”, um setor que foi “bastante resiliente a esta crise” e que se mostra preparado “para os próximos tempos, que podem vir a ser de investimento mais intensivo”, conclui.

Durante a sessão de encerramento do seminário “O setor da energia: parcerias e oportunidades de negócio”, a realizar numa unidade hoteleira de Maputo, o primeiro-ministro português será acompanhado pelo ministro da Economia e Finanças de Moçambique, Adriano Maleiane.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PGR

Estão a gastar a nossa herança!

Gonçalo Pistacchini Moita
330

Muitos de nós julgam saber o que levou António Costa a propor a substituição da Procuradora Geral da República. Poucos saberão, de facto, o que levou Marcelo Rebelo de Sousa a aceitá-la. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)