Clima

Ativistas servem ‘cocktails’ de petróleo à porta da cimeira do clima no Porto

101

Ativistas da Climáximo serviram "'cocktails' de petróleo", à margem da cimeira do clima, no Porto, num protesto "simbólico" contra as políticas climáticas do Governo português e de Barack Obama.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Ativistas da Climáximo serviram esta sexta-feira “‘cocktails’ de petróleo”, à margem da cimeira do clima, no Porto, num protesto “simbólico” contra as políticas climáticas do Governo português e do ex-Presidente americano Barack Obama, explicou o porta-voz da organização João Costa.

“A nossa ação foi em forma de denúncia dos temas que estão a ser debatidos na cimeira do clima e para a qual Barack Obama foi convidado, não esquecendo que, durante a sua administração, os Estados Unidos tornaram-se o maior produtor de combustíveis fósseis”, frisou João Costa.

[FrameNews src=”https://s.frames.news/cards/emissoes-de-co2/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”251″ slug=”emissoes-de-co2″ thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/emissoes-de-co2/thumbnail?version=1528810635200&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

O protesto, que reuniu sete ativistas da organização, durante a manhã de sexta-feira, realizou-se à porta do Coliseu do Porto, onde decorre a “Climate Change Leadership Porto Summit 2018”, que, além do ex-líder americano, conta com a presença de ministros portugueses, assim como outras figuras da política do país.

João Costa afirmou que o Governo tem vindo “a fechar os olhos” em relação às questões climáticas, acrescentando que “a administração Obama muito impulsionou o discurso contra o carvão, em prol da utilização do gás fóssil”.

Há aqui uma maquilhagem dos números, porque, de facto, quanto à extração de gás fóssil, tanto durante o transporte, como durante a extração, as fugas podem chegar aos 7%. E, se as fugas chegarem apenas aos 3%, a extração de gás já é mais poluente que o carvão”, acrescentou o ativista.

A organização Climáximo tem também previsto para sábado um protesto intitulado “Petróleo é má onda”, durante o qual vai realizar ações em “25 praias de norte a sul do país”, segundo informou o responsável.

A conferência sobre as alterações climática gerou, sexta-feira de manhã, uma fila de cerca de duas horas para a entrada dos convidados na Rua Passos Manuel, onde está montado, desde madrugada, um forte dispositivo de segurança e corte de trânsito.

Além de Barack Obama, também está prevista a presença do premiado com o Nobel da Paz Mohan Munasinghe, bem como a ex-diretora geral da UNESCO Irina Bokova e o conselheiro económico político Juan Verde.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)