Guiné-Bissau

Ex-PM guineense Baciro Djá diz ser “talvez mais sério” que o Presidente do país

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau disse que "talvez seja mais sério" que o Presidente do país com quem debate publicamente o paradeiro de um cheque de cerca de um milhão de dólares.

LUIS FONSECA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O antigo primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Baciro Djá, disse esta sexta-feira que “talvez seja mais sério” que o Presidente do país, José Mário Vaz, com quem debate publicamente o paradeiro de um cheque de cerca de um milhão de dólares.

José Mário Vaz desafiou, numa entrevista no passado mês de junho, Baciro Djá a apresentar provas de que lhe teria devolvido um cheque que lhe dera enquanto primeiro-ministro, em 2016, para construção da avenida em memoria do falecido presidente guineense, João Bernardo “Nino” Vieira. A avenida, que iria ligar a praça dos heróis nacionais à zona industrial de Bolola, nunca foi construída e os dois dirigentes trocam insinuações sobre o paradeiro do dinheiro. Ao proceder ao balanço dos quatro anos na presidência, José Mário Vaz lembrou a Baciro Djá que lhe entregou o cheque na presença da comunicação social e que espera agora que aquele apresente provas da devolução do dinheiro.

O ex-primeiro-ministro esteve esta sexta-feira na Procuradoria-geral da República, onde, disse, ter apresentado provas de que o cheque foi depositado na conta do Tesouro. “O cheque foi depositado no Tesouro Público. Tenho aqui as provas. O Presidente sabe que eu sou um homem sério, talvez muito mais sério que o próprio Presidente da República. Posso confirmar isso. Nunca roubei um euro do Estado da Guiné-Bissau”, afirmou Baciro Djá. O cheque “não é como uma manga que se come e ninguém sabe quem comeu”, observou ainda o antigo primeiro-ministro guineense, para acrescentar que aquele documento deixa traços quando é utilizado

O antigo governante admitiu ter-se deslocado à procuradoria na qualidade de declarante, sem precisar do levantamento da imunidade parlamentar ou de um advogado, frisou. Djá sublinhou estar perante a justiça “como um cidadão simples” que acredita ter condições morais, éticas e políticas para o serviço público. “Convido outros políticos a fazerem o que fiz hoje”, notou Baciro Djá, de 46 anos. O Presidente guineense, José Mário Vaz, está ausente do país numa visita privada em França.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)