Rádio Observador

CPLP

Organização ibero-americana apresenta candidatura a observador associado da CPLP

A Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) candidatou-se a observador associado CPLP e, sendo aprovada a sua entrada, será a primeira organização a ocupar este posto.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) candidatou-se a observador associado CPLP e, sendo aprovada a sua entrada, será a primeira organização a ocupar este posto, disse esta sexta-feira uma responsável da entidade ibero-americana.

“Nós fizemos esta candidatura nos prazos, por volta de abril/maio. Desde que o escritório (da OEI em Portugal) abriu este tem sido um dos grandes objetivos” a realizar pela organização, disse à Lusa a diretora do escritório em Portugal da OEI, Ana Paula Laborinho. Segundo a responsável, a candidatura à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) surgiu “de forma natural”, sublinhando que o escritório em Portugal da OEI só abriu em janeiro de 2018.

“Tenho grande expectativa que a candidatura venha a ser aprovada na cimeira que decorrerá na Ilha do Sal, em Cabo Verde, em meados do mês de julho”, acrescentou. A XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP realiza-se em Cabo Verde, na Ilha do Sal, a 17 e 18 de julho. “(…) Seremos a primeira organização a ser reconhecida pela CPLP como observador associado, o que é muito relevante”, sublinhou Ana Paula Laborinho.

Os observadores associados da CPLP são Geórgia, Hungria, Japão, República Checa, República Eslovaca, República da Maurícia, Namíbia, Senegal, Turquia e Uruguai. O bloco lusófono tem ainda observadores consultivos, que congregam várias organizações e associações, como a Academia Brasileira de Letras (ABL) ou a Assistência Médica Internacional (AMI).

De acordo com a responsável, “já existia um convénio com a CPLP” e a OEI tem “trabalhado ativamente e participado também ativamente em todas as iniciativas da CPLP”. “Portugal é membro da OEI desde 2002, mas só agora é que houve este impulso para uma presença aqui de um escritório que permite um trabalho continuado e uma aproximação muito maior entre Portugal e todos outros países que compõem esta organização, quer do ponto de vista bilateral, quer do ponto de vista multilateral”, acrescentou.

Ana Paula Laborinho afirmou que Portugal “representa um vértice importante, na medida que é o único país que, ao mesmo tempo, está na União Europeia, na CPLP e na Ibero-América”. A diretora da OEI referiu ainda que os temas da educação, ciência e cultura são primordiais para a organização ibero-americana.

O novo secretário-geral da OEI, o espanhol Mariano Jabonero – que foi eleito a 26 de abril, no México -, assumiu as suas funções, substituindo o brasileiro Paulo Speller e cumprirá o mandato até 2022. Mariano Jabonero visita Portugal na próxima semana, entre segunda e terça-feira, sendo o primeiro país com que irá estabelecer contacto após assumir o cargo.

Para Ana Paula Laborinho “é muito significativa” esta visita a Portugal do novo secretário-geral da OEI, demonstrando “a proximidade dos dois países”. A responsável disse ainda que Mariano Jabonero referiu também a importância de uma “presença da língua portuguesa ao mesmo nível do espanhol” na OEI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho
159

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)