Banda Desenhada

Morreu Steve Ditko, que criou Homem-Aranha com Stan Lee. Tinha 90 anos

Steve Ditko manteve-se afastado das luzes da ribalta, mas criou uma das personagens mais conhecidas de banda desenhada com Steve Lee: o Homem-Aranha. Ditko morreu aos 90 anos em Nova Iorque.

Steve Ditko foi encontrado morto em junho, no seu apartamento em Nova Iorque.

YM YIK/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O norte-americano Steve Ditko, que criou com Stan Lee o super-herói Homem-Aranha, morreu aos 90 anos em Nova Iorque, informou a polícia este sábado. As autoridades encontraram o corpo de Ditko a 29 de junho, no apartamento em Nova Iorque.

Famoso entre os admiradores do Homem-Aranha (Spider-man), criado em 1962, e também por outras criações no popular universo da editora Marvel, como a personagem Doctor Strange, Ditko manteve-se afastado das luzes da ribalta.

Nascido a 2 de novembro de 1927 em Johnston (Pensilvânia), cumpriu o serviço militar no exército, na Alemanha, após a Segunda Guerra Mundial e, quando regressou aos Estados Unidos, matriculou-se na escola de caricaturistas e ilustradores de Nova Iorque. Desde meados dos anos de 1950 trabalhou para editoras como Charlton Comics e Atlas Comics, percursora da Marvel.

Em 1962, apresentou com Stan Lee a personagem do Homem-Aranha, um jovem com fabulosos poderes adquiridos após a picada de uma aranha, que acabou por se transformar num dos super-heróis mais populares da história da banda desenhada.

Ditko também assinou a criação de vilões das histórias do Homem-Aranha, como Doctor Octopus e Duende Verde, todos retratados no cinema, tal como Doctor Strange.

Entre 2002 e 2007, Tobey Maguire foi o Homem-Aranha na trilogia dirigida por Sami Raimi. Em 2012 e 2014, foi a vez de Andrew Garfield ser o super-herói. Em 2017, coube a Tom Holland vestir a pele do protagonista, estando já a ser rodada a sequela, que estrear no próximo ano. De acordo com os meios de comunicação norte-americanos, Ditko nunca casou e não teve filhos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)