O programa de estágios remunerados da Farfeth, o Plug-In, está de volta. Na terceira edição, há 60 vagas — mais 60% do que no ano passado — para recém-graduados que queiram trabalhar durante seis meses nos escritórios daquele que foi o primeiro unicórnio (empresa avaliada em mais de mil milhões de dólares) de origem portuguesa em Lisboa, Porto e Braga.

“A Farfetch é uma empresa global que proporciona a estes candidatos uma experiência técnica mas ao mesmo tempo a possibilidade de integrarem equipas internacionais que estão a desenvolver soluções inovadoras, expondo-os a desafios e a uma aprendizagem muito rápida”, afirma em comunicado Ana Sousa, diretora de Recursos Humanos da Farfetch.

Este ano, a plataforma de comércio de moda de luxo procura recém-licenciados das áreas de Engenharia, Matemática, Produto e Design. O processo de seleção dos candidatos passa por análise do perfil, resposta a desafios tecnológicos, desempenho em dinâmicas de grupo e a entrevista final.

Na edição do ano passado, o programa recebeu 500 candidaturas e selecionou 36 estagiários, que foram convidados para continuar na Farfetch. A empresa fundada e liderada pelo português José Neves está a preparar a entrada em bolsa. O processo que envolve a Oferta Pública Inicial de venda de capital (IPO na sigla inglesa) está nas mãos de dois bancos de investimento, o JPMorgan e o Goldman Sachs.

A Farfetch conta com 12 escritórios no mundo, 2 milhões de clientes e mais de 1.000 empresas parceiras em 40 países.