Mário Centeno

Centeno garante que haverá reposição de rendimentos, mas pôr em risco a consolidação

O ministro das Finanças disse que os compromissos serão cumpridos, considerando que a poupança em juros permitiu criar margem para acomodar as medidas de reforço de rendimentos.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno, garantiu esta terça-feira no parlamento que o último orçamento do atual Governo vai manter a linha da recuperação de rendimentos, mas que isso não pode colocar em causa a consolidação obtida até aqui.

Numa intervenção inicial na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, Mário Centeno disse que o Governo “tem feito o seu trabalho, honrando os seus compromissos, de forma responsável e ponderada”.

“O quarto orçamento desta legislatura seguirá essa mesma linha: aumento do rendimento disponível das famílias, recuperação do valor das pensões associado ao crescimento económico, investimento nos serviços públicos e conclusão em 2019 do processo de descongelamento das carreiras para além da reposição de direitos dos trabalhadores da Administração Pública”, afirmou Mário Centeno.

O ministro disse que estes compromissos estão assumidos e serão cumpridos, considerando que a poupança em juros permitiu criar margem para acomodar as medidas de reforço de rendimentos. No entanto, o governante defendeu que “o debate não pode fugir à sustentabilidade”.

“Não podemos adotar medidas com implicações orçamentais significativas que não estavam no Programa do Governo”, afirmou Mário Centeno.

“Não podemos colocar em causa a consolidação orçamental estrutural com medidas avulsas que implicam alterações orçamentais de forma avulsa”, insistiu, sublinhado que o Governo não colocará em causa a recuperação do país. A terminar a sua intervenção, Mário Centeno salientou que o Governo não se deixará “iludir por ganhos fáceis ou efémeros”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)