Rádio Observador

Leiria

Leiria aprova moção pela abertura da base aérea de Monte Real ao tráfego civil

A Assembleia Municipal de Leiria aprovouuma moção, na qual reclama do Governo a abertura "urgente" da base aérea n.º 5, em Monte Real, ao tráfego civil, criticando o seu "adiamento sistemático".

ROBERT GHEMENT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Assembleia Municipal de Leiria aprovou esta terça-feira uma moção, por unanimidade, na qual reclama do Governo a abertura “urgente” da base aérea n.º 5 (BA5), em Monte Real, ao tráfego civil, criticando o “adiamento sistemático” desta pretensão.

Segundo a moção, esta deliberação “deve ser comunicada pessoalmente” pelo presidente da Câmara, Raul Castro, “acompanhado por quem entender”, aos presidentes da República e da Assembleia da República, e primeiro-ministro, entre outras entidades, “pondo fim ao adiamento sistemático desta pretensão antiga e justa de toda a população, entidades e instituições da Região Centro de Portugal, para reforço da economia nacional, da sua coesão territorial e do desenvolvimento regional”.

No documento, os membros da Assembleia Municipal de Leiria propõem ainda “a criação de uma associação de âmbito da região Centro, constituída por órgãos autárquicos, associações empresariais, instituições ligadas ao turismo e ao ensino superior, outras instituições públicas e privadas com interesses no desenvolvimento da região”.

A moção começa por referir que “os quase 2,5 milhões de habitantes, o meio milhão de emigrantes e as cerca de 74.000 empresas de grande dinamismo interno e externo, de caráter inovador e tecnológico”, projetam a região no mundo, pelo que podem e devem “beneficiar de um equipamento desta importância”.

Na região Centro de Portugal sempre existiu, sem apoios significativos ou investimentos avultados por parte do Estado central, uma fortíssima dinâmica em todos os aspetos da nossa vida (social, cultural, religioso, académico e empresarial) comum a vários setores de atividade mais tradicionais, como a agricultura ou a mais inovadores, como a indústria, os serviços, o turismo e a gastronomia, plenamente justificadoras de investimentos estruturantes para a região”, adianta.

Por outro lado, os membros da Assembleia Municipal de Leiria, presidida por António Sequeira (PS), notam que o Centro “constitui uma região diversa e completa, com quatro importantes distinções” da UNESCO, “motivos mais que suficientes para a construção de infraestruturas de transporte de relevo que a aproximem do mundo global e que contribuam para o desenvolvimento do país”.

Acresce “a riquíssima oferta turística, com unidades hoteleiras de grande qualidade e capacidade superior a 50 mil camas”, o turismo do Sol ou o desenvolvimento do golfe, exemplos de áreas que “devem crescer mais, ganhando um importante incremento com a chegada de novos consumidores”.

A importância mundial do turismo religioso que movimenta milhões de pessoas por todo o mundo e considerando a importância única do Santuário de Fátima e sua proximidade a Monte Real é convicção, baseada nos estudos realizados, que permite dotar a aviação civil em Monte Real de massa crítica suficiente, permitindo a sua rentabilização quase imediata com os mais de oito milhões de visitantes por ano”, salienta a moção.

Segundo o documento, “a aviação civil em Monte Real assume-se como uma alternativa” aos aeroportos e Lisboa e Porto, destacando igualmente a “unanimidade em torno da abertura da aviação civil em Monte Real, que junta a sociedade civil, a comunidade empresarial, os dignitários religiosos, os partidos políticos, bem como outras associações de relevo”.

A moção critica ainda “o Estado Central e os seus diversos governos” que “pouco têm feito ao nível do investimento nesta região, e mesmo após decisões da Assembleia da República positivas, não tem atendido aos sólidos argumentos económicos, sociais, culturais e turísticos apresentados”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)