Rádio Observador

Mota-Engil

Mota-Engil entra na Nigéria como parceira da Shoreline

A Mota-Engil África e a Shoreline celebraram esta terça-feira um acordo para a constituição de uma parceria para operar na Nigéria, assinalando a entrada do grupo português naquele mercado.

Luis Forra/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Mota-Engil África e a Shoreline celebraram esta terça-feira um acordo para a constituição de uma parceria para operar na Nigéria, assinalando a entrada do grupo português naquele mercado.

Em comunicado divulgado esta terça-feira, a Mota-Engil adianta que a ‘joint-venture’ (parceria) terá a designação Mota-Engil Nigeria Limited e será detida em 51% pela Mota-Engil África e em 49% pela Shoreline, um conglomerado africano com base na Nigéria. O presidente da nova empresa será o emir de Kano.

“A Mota-Engil Nigéria terá como foco da sua atividade a execução de contratos de construção, ambicionando tornar-se um operador de referência neste setor, tendo por objetivo concorrer aos principais concursos de infraestruturas e construção a ocorrer nos próximos anos na Nigéria”, lê-se no comunicado.

Os acionistas da Mota-Engil Nigéria “perspetivam ainda diversificar investimentos e, assim, fortalecer e desenvolver as relações existentes com os seus parceiros e clientes, procurando potenciar as suas forças combinadas em outras áreas de negócio como a gestão e tratamento de resíduos, podendo assim alavancar o conhecimento e experiência e maximizar o potencial da empresa”, segundo a mesma fonte.

O acordo foi celebrado durante a Conferência EurAfrican, que decorreu no Centro de Congressos do Estoril. Para o presidente executivo da Mota-Engil África, Manuel Mota, a celebração do acordo “é o culminar de vários meses de conversações entre as empresas para a concretização do que se pretende que seja um relacionamento frutífero para atuar num mercado com uma preponderância determinante no desenvolvimento do continente africano”.

Já Kola Karim, fundador e presidente executivo da Shoreline Group, citado em comunicado afirmou-se satisfeito com esta parceria e com o facto de “começar a trabalhar em novas oportunidades de negócio na Nigéria”. “A Mota-Engil é um construtor e operador de infraestruturas e indústrias associadas de nível mundial. Por essa razão, estamos muito entusiasmados por trazer essa capacidade para o mercado nigeriano. A nossa ambição é a de desenvolver projetos de engenharia e construção de dimensão em todo o país”, disse. Adicionalmente, acrescentou, “iremos procurar identificar e participar em projetos de concessões de acordo com as iniciativas público-privadas que venham a ser lançadas”.

A Mota-Engil está presente em 28 países e apresenta-se como uma das 30 maiores construtoras europeias Em África, o grupo está presente em 14 países, contando com uma carteira de encomendas na região de mais de 2,5 mil milhões de euros, tendo, em 2017, atingido uma faturação de 860 milhões de euros.

A Shoreline Group tem investimentos na indústria de Oil & Gas [petróleo e gás], energia, engenharia e construção, telecomunicações e ‘trading’, tendo investimentos noutros países africanos, como Angola, Uganda, Quénia, Gana e Libéria, assim como na Europa (França, Alemanha e Reino Unido) e na Ásia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)