IPSS

Santa Casa promete apoio financeiro “imediato” à Raríssimas, mas não avança valor

Misericórdia de Lisboa confirma apoio financeiro "imediato" para "necessidades urgentes" da Raríssimas, mas diz que é "prematura a definição do valor". Negociações ainda decorrem.

Margarida Laygue, atual presidente da Raríssimas, tomou posse a 5 de janeiro, na sequência do escândalo que envolveu a IPSS

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A notícia do apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) à Raríssimas foi avançada pela própria associação dedicada às doenças raras, mas sem grandes detalhes. Será um apoio financeiro para dar resposta “às necessidades mais urgentes e críticas” da instituição, mas o comunicado não revela quanto, quando ou em que moldes.

Ao Observador, a Santa Casa pouco adianta. Acrescenta apenas que o apoio financeiro é “imediato”, mas recusa revelar qualquer número. Diz que é “prematura a definição do valor desse apoio”.

Na resposta às perguntas do Observador, lê-se que “a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem vindo a desenvolver conversações com a Raríssimas, no sentido de avaliar a melhor forma de cooperação entre ambas as instituições”.

É precisamente por ainda estarem a decorrer as negociações entre as duas entidades que a SCML não quer avançar nem o valor nem em que moldes irá ocorrer este apoio financeiro.

O Observador apurou que as conversações não estão a ser acompanhadas pelo ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. O acordo estará a ser fechado apenas entre as duas entidades.

O comunicado da Raríssimas refere ainda que não é a primeira vez que a SCML apoia a instituição particular de solidariedade social (IPSS). A Santa Casa adiantou ao Observador que assinou “um protocolo” com a associação em 2008, tendo concedido um apoio financeiro “no valor total de 500 mil euros” para a construção da Casa dos Marcos, a unidade de cuidados continuados da associação. “Este apoio foi efetuado em pagamentos fracionados em diversas tranches, a última das quais paga em 2013.”

Esta “decisão por parte da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”, continua o comunicado, é encarada pela direção da Raríssimas como “o reconhecimento da importância do trabalho desenvolvido junto das pessoas com doenças raras e respetivas famílias”.

“A direção da Raríssimas tem ativamente desenvolvido esforços no sentido de procurar, junto de organismos públicos e privados, soluções que viabilizem a continuidade e consolidação dos serviços que esta Instituição presta aos seus utentes”, lê-se ainda o comunicado.

O apoio da SCML é anunciado sete meses depois do escândalo que abalou a instituição. A 9 de dezembro de 2017, uma reportagem da TVI revelava que a ex-presidente e fundadora da associação, Paula Brito e Costa, era suspeita de gestão danosa e desvio de fundos para fins pessoais.

A polémica motivou a suspensão de Paula Brito e Costa — que foi, depois, constituída arguida no processo-crime aberto pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa — , à demissão do secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado e à retirada de apoios por parte de vários mecenas.

Depois de alguma indefinição, Margarida Laygue acabou por ser eleita nova presidente da Raríssimas. Tomou posse a 5 de janeiro e fez soar as campainhas: a debandada dos apoios, por causa do escândalo, podia pôr em causa a sobrevivência da instituição. Um alerta que já tinha sido feito pelo Presidente da República (PR). Em dezembro do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa dizia, em declarações à Lusa, que “o pior que podia acontecer era que, de repente, houvesse uma rutura e que as grandes vítimas fossem as crianças” e que a investigação ao caso não podia “levar meses”, uma vez que isso poderia significar “eventualmente a morte de uma instituição”.

O PR chegou mesmo a visitar, quase em segredo, as crianças da Casa dos Marcos na véspera de Natal, para reforçar a importância de não abandonar a instituição que apoia cerca de 300 pessoas com doenças raras.

Pouco se sabe do que aconteceu dessa altura até agora, mas o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa poderá ser a boia de salvação da Raríssimas, que apoia .

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)