IPSS

Santa Casa promete apoio financeiro “imediato” à Raríssimas, mas não avança valor

Misericórdia de Lisboa confirma apoio financeiro "imediato" para "necessidades urgentes" da Raríssimas, mas diz que é "prematura a definição do valor". Negociações ainda decorrem.

Margarida Laygue, atual presidente da Raríssimas, tomou posse a 5 de janeiro, na sequência do escândalo que envolveu a IPSS

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A notícia do apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) à Raríssimas foi avançada pela própria associação dedicada às doenças raras, mas sem grandes detalhes. Será um apoio financeiro para dar resposta “às necessidades mais urgentes e críticas” da instituição, mas o comunicado não revela quanto, quando ou em que moldes.

Ao Observador, a Santa Casa pouco adianta. Acrescenta apenas que o apoio financeiro é “imediato”, mas recusa revelar qualquer número. Diz que é “prematura a definição do valor desse apoio”.

Na resposta às perguntas do Observador, lê-se que “a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem vindo a desenvolver conversações com a Raríssimas, no sentido de avaliar a melhor forma de cooperação entre ambas as instituições”.

É precisamente por ainda estarem a decorrer as negociações entre as duas entidades que a SCML não quer avançar nem o valor nem em que moldes irá ocorrer este apoio financeiro.

O Observador apurou que as conversações não estão a ser acompanhadas pelo ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. O acordo estará a ser fechado apenas entre as duas entidades.

O comunicado da Raríssimas refere ainda que não é a primeira vez que a SCML apoia a instituição particular de solidariedade social (IPSS). A Santa Casa adiantou ao Observador que assinou “um protocolo” com a associação em 2008, tendo concedido um apoio financeiro “no valor total de 500 mil euros” para a construção da Casa dos Marcos, a unidade de cuidados continuados da associação. “Este apoio foi efetuado em pagamentos fracionados em diversas tranches, a última das quais paga em 2013.”

Esta “decisão por parte da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”, continua o comunicado, é encarada pela direção da Raríssimas como “o reconhecimento da importância do trabalho desenvolvido junto das pessoas com doenças raras e respetivas famílias”.

“A direção da Raríssimas tem ativamente desenvolvido esforços no sentido de procurar, junto de organismos públicos e privados, soluções que viabilizem a continuidade e consolidação dos serviços que esta Instituição presta aos seus utentes”, lê-se ainda o comunicado.

O apoio da SCML é anunciado sete meses depois do escândalo que abalou a instituição. A 9 de dezembro de 2017, uma reportagem da TVI revelava que a ex-presidente e fundadora da associação, Paula Brito e Costa, era suspeita de gestão danosa e desvio de fundos para fins pessoais.

A polémica motivou a suspensão de Paula Brito e Costa — que foi, depois, constituída arguida no processo-crime aberto pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa — , à demissão do secretário de Estado da Saúde Manuel Delgado e à retirada de apoios por parte de vários mecenas.

Depois de alguma indefinição, Margarida Laygue acabou por ser eleita nova presidente da Raríssimas. Tomou posse a 5 de janeiro e fez soar as campainhas: a debandada dos apoios, por causa do escândalo, podia pôr em causa a sobrevivência da instituição. Um alerta que já tinha sido feito pelo Presidente da República (PR). Em dezembro do ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa dizia, em declarações à Lusa, que “o pior que podia acontecer era que, de repente, houvesse uma rutura e que as grandes vítimas fossem as crianças” e que a investigação ao caso não podia “levar meses”, uma vez que isso poderia significar “eventualmente a morte de uma instituição”.

O PR chegou mesmo a visitar, quase em segredo, as crianças da Casa dos Marcos na véspera de Natal, para reforçar a importância de não abandonar a instituição que apoia cerca de 300 pessoas com doenças raras.

Pouco se sabe do que aconteceu dessa altura até agora, mas o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa poderá ser a boia de salvação da Raríssimas, que apoia .

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)