Mundial 2018

O novo colega de Ronaldo anda pela Rússia a decidir Mundiais. O seu nome: (Super) Mario Mandzukic

Mario Mandzukic marcou o golo da vitória croata aos 109 minutos e carimbou uma inédita presença na final do Mundial. Antes do jogo elogiou o guarda-redes inglês mas também deixou um aviso. E cumpriu.

Mandzukic voltou a mostrar que é uma figura para aparecer nos grandes momentos e decidiu a meia-final do Mundial

AFP/Getty Images

A grande notícia que marcou esta semana foi a mudança de Cristiano Ronaldo do Real Madrid para a Juventus. Na verdade, a eliminação de Portugal do Mundial acelerou o processo, uma vez que se o português ainda estivesse na Seleção o negócio, muito provavelmente, não teria sido concluído nesta altura. Para trás deixou um companheiro croata, o médio Luka Modric. Mas vai encontrar em Turim um novo companheiro daquele país, neste caso o avançado Mario Mandzukic.

O novo colega de Ronaldo ainda anda pela Rússia e esta quarta-feira decidiu o jogo que deu à Croácia a vitória contra a Inglaterra na meia-final do Campeonato do Mundo. Aos 109 minutos, Perisic ganhou de cabeça e a bola foi ter com Mandzukic, que atirou de pé esquerdo e carimbou a presença inédita da Croácia na final da competição.

Aos 109 minutos, Mandzukic recebeu um passe de Perisic e colocou a Croácia na primeira final do Mundial (JEWEL SAMAD/AFP/Getty Images)

Quando era pequeno, ele e os pais foram para a Alemanha, devido à Guerra Civil na Jugoslávia. Foi lá que deu os primeiros toques na bola, quando se juntou ao TSF Ditzingen (um clube perto da cidade de Estugarda) aos seis anos. Quando voltou ao seu país foi jogar para o NK Marsoniam, clube que representou entre 1996 e 2005, contando ainda com uma passagem NK Željezničar pelo meio. Foi nesse ano que se mudou ao NK Zabreg e depois para o Dínamo, que pagou por ele 1,5 milhões de euros em 2007.

Em 2010 voltou à Alemanha: o Wolfsburgo pagou 7,5 milhões pela sua contratação. Durante as duas épocas que esteve no clube marcou 60 golos, o que despertou o interesse do gigante Bayern Munique. Foi para a Baviera e dali seguiu para o Atlético de Madrid em 2014, antes da Juventus pagar 21 milhões de euros na época seguinte.

Ao serviço da Vecchia Signora já apontou 129 golos em três épocas. Esta semana foi notícia o facto de ter pago as bebidas a quem foi ver a partida dos quartos de final contra a Rússia à praça central da cidade onde nasceu, Slavonski Brod. Gastou 3.400 euros para que todos pudessem fazer a festa naquela cidade de 63 mil habitantes. 

Neste Mundial já leva dois golos: o desta quarta-feira contra a Inglaterra e outro contra a Dinamarca, nos oitavos de final. Pelo meio fez a assistência para Kramaric no primeiro golo contra a Rússia, nos ‘quartos’. Antes do jogo contra a seleção de Gareth Southgate falou sobre Jordan Pickford, o guarda-redes inglês que virou herói depois de ter sido decisivo no desempate por penáltis no jogo contra a Colômbia. Sobre o jovem guardião do Everton disse o seguinte: “Tem um bom potencial e tenho a certeza de que vai ter um futuro brilhante. Mas acredito que alguém vai encontrar forma de o surpreender”. 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)