Tribunais

Procesos pendentes nos tribunais ficaram abaixo de um millhão em 2017

As pendências nos tribunais portugueses ficaram em 2017, e pela primeira vez desde 2001, abaixo da fasquia de um milhão de processos, afirmou o presidente do Conselho Superior de Magistratura.

ERLEND AAS/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

As pendências nos tribunais portugueses ficaram em 2017, e pela primeira vez desde 2001, abaixo da fasquia de um milhão de processos, afirmou quarta-feira o presidente do Conselho Superior de Magistratura, referindo ter-se tratado de um “ano de viragem”.

Em 2017, pela primeira vez há muitos anos, ultrapassámos a barreira psicológica, isto é, pela primeira vez baixámos o número de pendências de um milhão [de processos]”, declarou Henrique Gaspar, numa conferência de imprensa no Tribunal da Madeira, no Funchal, para apresentação do balanço do ano judicial.

O juiz conselheiro adiantou que a perspetiva é “melhorar e responder de uma forma que tranquiliza muito porque tem sido uma evolução estrutural e consistente nos últimos tempos”. O vice-presidente do CSM, Mário Belo Morgado, complementou que, em 2001, havia 1.698.784 processos pendentes, valor que foi reduzido para 983.610 no final de 2017.

Também sublinhou que as taxas de resolução de processos têm sido “muito positivas”, sendo “superiores a 100% em todas as jurisdições”, o que significa que, “a nível nacional, terminaram mais processos do que entraram”, com uma taxa de 1,61 nos juízos de execução.

A taxa de resolução média no ano passado foi de 1,28 e a de congestão 1,45, indica o CSJ. De acordo com os dados facultados, em 2017, havia 877.709 processos cíveis, 702.257 de execução, 46.805 na área penal, 29.438 de matéria laboral e 29.617 de família.

Os elementos do CSJM anunciaram que pretendem estender a todo o país o projeto-piloto da comarca de Coimbra destinado a avaliar a taxa de recuperação de crédito nos processos executivos e a experiência do Grupo de Acompanhamento de Juízes de Execução em comércio.

O vice-presidente do Conselho Superior de Magistratura considerou que “2017 foi um ano de viragem”, defendendo ser necessário “leis de processo mais adequadas a nível cível e penal”, além de legislação mais consentânea com os processos de maior complexidade.

Temos neste momento uma situação que nos permitiu dominar o prazo razoável”, disse Henrique Gaspar, adiantando que “a justiça tem de ser pronta”, mas não pode ser “feita a 100 quilómetros por hora, não é fórmula um”, deve ser “feita num prazo razoável e adequado a cada circunstância”.

O responsável referiu ainda que foi ultrapassada uma “dificuldade muito preocupante, que era ter ainda em alguns tribunais processos antigos”, acrescentando que foi atingida a “velocidade de cruzeiro”. Questionado sobre as reivindicações dos magistrados, o responsável escusou fazer comentários sobre uma eventual greve dos juízes, no início do ano judicial, considerando ser “uma questão sindical e não institucional”.

Relativamente às reivindicações em termos de estatuto remuneratório, indicou que “os juízes pedem apenas que seja cumprida uma lei que não tem tido cumprimento há 28 anos”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)