Mundial 2018

As quedas e as fitas de Neymar deram origem a um tipo de letra (e até tem nome)

415

Muito se falou das quedas de Neymar durante o Mundial. Mas houve um designer gráfico que as passou à escrita: usou imagens do craque no chão e criou um novo tipo de letra. Chama-se 'Ney Type'.

É possível recriar as 26 letras do alfabeto com as quedas de Neymar durante o Mundial

Autor
  • Mariana Béu

Não há dúvidas: Neymar ficará como uma das figuras deste Mundial. Talvez não da forma como muitos esperavam, é verdade: o avançado do PSG não foi o “carregador de piano” do Brasil e foi incapaz de levar a canarinha até à conquista do ambicionado hexa. Neymar deu nas vistas de outra maneira; à sua maneira. Primeiro pelo corte de cabelo comparado a esparguete, depois – e principalmente – pela sucessão de quedas, de fitas, e de autênticos números de contorcionismo nos relvados da Rússia, tantas vezes criticadas por rivais e relativizadas em sua defesa pelos compatriotas.

A internet não perdoou e explodiu em memes com caricaturas da performance do camisola 10 brasileiro – que conseguiu o registo de estar 14 minutos no chão (e o Brasil ficaria pelos quartos de final). Mas houve quem tivesse ido mais longe na sátira.

Foi o caso do designer gráfico brasileiro Luciano Jacob, que reuniu várias imagens de Neymar no chão durante o Mundial e comparou-as com as 26 letras do alfabeto para criar um novo tipo de letra. Até tem nome: chama-se ‘Ney Type’ (em alusão ao nome do jogador) e até está disponível para download.

A sátira foi pela primeira vez partilhada na página de Facebook de Luciano Jacob e tornou-se viral – até ao momento gerou perto de 2500 partilhas, 18 mil downloads e até foi assunto no site humorístico norte-americano 9GAG. Tudo começou no segundo jogo do Brasil na fase de grupos, diante da Costa Rica (vitória por 2-0). “O Neymar caiu de braços abertos e, na altura, aquilo pareceu-me um ‘T’. Foi assim que surgiu a ideia”, explica o designer ao Observador. Com a ideia na cabeça, passá-la à prática levou duas semanas, entre “pesquisar as imagens, pensar em cada letras e fazer os textos de divulgação”.

Luciano ficou surpreendido com o impacto da sua criação. “Inicialmente postei no meu Facebook e enviei para algumas páginas de humor desportivo. A repercussão foi bem acima do esperado. Os amigos começaram a partilhar e, a partir daí, perdi o controle, ganhando cobertura nacional e internacional”, acrescenta o designer de 29 anos, que garante que a intenção do seu trabalho foi a melhor. “A tipografia não é uma crítica. Foi criada para divertir com algo que tinha potencial de se tornar viral e ainda brincar com o lado positivo que é a torcida para 2022“. Em suma, tudo foi “um incentivo para o nosso menino Ney brilhar em 2022 e trazer o hexa para casa“. Com este espírito em mente, Luciano juntou as letras do alfabeto que criou e daí nasceu uma nova mensagem. Veja-a abaixo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)