Brasil

Brasil registou 415 mortes por febre amarela num ano

A região sudeste (que compreende os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) continua a registar o maior número de casos e de mortes por febre amarela.

PAULO JULIÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Brasil registou 415 mortes por febre-amarela desde julho de 2017, segundo dados de um relatório divulgado hoje pelo Ministério da Saúde, citado pela imprensa brasileira.

Segundo o portal G1, foram confirmadas também 1.266 infeções pela doença neste período de um ano, entre julho de 2017 e o mesmo mês em 2018. O ministério divulgou ainda que outros 1.232 casos estão a ser investigados pelas autoridades.

A região sudeste (que compreende os estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) continua a registar o maior número de casos e de mortes, sendo que apenas um óbito ocorreu fora da região, no Distrito Federal (centro-oeste).

Este grande número de casos e mortes ocorreram porque antes de 2017 o vírus da febre-amarela não circulava na região sudeste. Também a vacina contra a doença era destinada a áreas endémicas, como a região norte do país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Eleições

Brasil: soma e segue! /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nenhum dos candidatos, Bolsonaro incluído, tem qualquer hipótese para armar um «bloco» presidencial num Congresso reduzido a fragmentos de partidos desencontrados, como aliás tão pouco Lula teria.

União Europeia

A crítica da razão europeia (II) /premium

António Covas

A “dinâmica convencional” da Federação Europeia de Estados-Nação será ascendente e descendente, de acordo com o princípio de subsidiariedade, assim se distinguindo de uns Estados Unidos da Europa.

França

Merci, Mr. Macron /premium

André Abrantes Amaral

É o desempregrado que tem pensar em primeiro lugar o que pretende fazer da sua vida. Vivê-la por si ou à conta de outrem? O que Macron disse não é simpático, pode não garantir votos, mas é sério. 

União Europeia

A crítica da razão europeia (II) /premium

António Covas

A “dinâmica convencional” da Federação Europeia de Estados-Nação será ascendente e descendente, de acordo com o princípio de subsidiariedade, assim se distinguindo de uns Estados Unidos da Europa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)