Moçambique

CNE moçambicana diz que é possível realizar eleições autárquicas a 10 de outubro

A Comissão Nacional de Eleições de Moçambique considera que será possível realizar as eleições autárquicas a 10 de outubro deste ano, caso a Assembleia da República aprove a nova legislação eleitoral.

Antonio Cotrim/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique considera que será possível realizar as eleições autárquicas em 10 de outubro deste ano, caso a Assembleia da República aprove a nova legislação eleitoral.

O adiamento da sessão extraordinária da Assembleia da República, que tinha sido agendada para julho, visando a aprovação da nova legislação eleitoral, tem suscitado preocupação em torno da realização das eleições autárquicas de 10 de outubro. O porta-voz da CNE, Paulo Cuinica, disse na quarta-feira que o órgão pode reprogramar as atividades necessárias à realização do escrutínio para que o mesmo tenha lugar na data inicialmente prevista.

“Sendo aprovada a nova legislação, ainda é possível reprogramarmos todas as nossas atividades de forma a termos eleições no dia 10 de outubro”, declarou Paulo Cuinica. Ainda não há nada perdido, tudo depende da rapidez com que a nova legislação autárquica for aprovada, acrescentou.

O porta-voz da CNE adiantou que o órgão ainda não recebeu nenhuma indicação por parte da Assembleia da República de Moçambique sobre a realização da sessão parlamentar que vai aprovar a nova legislação eleitoral. “Não temos nenhum sinal. Nós estamos simplesmente reféns da nova sessão extraordinária que possa aprovar a legislação”, disse Paulo Cuinica.

A Comissão Permanente da Assembleia da República adiou a sessão extraordinária, que estava agendada para 21 e 22 do mês passado, a pedido da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder e com maioria parlamentar. A Frelimo condiciona a aprovação da legislação eleitoral a avanços nas negociações sobre o desarmamento do braço armado da Resistência Nacional Moçambique (Renamo), principal partido da oposição.

Na quarta-feira, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder interino da Renamo, Ossufo Momade, reuniram-se na cidade da Beira, centro do país, anunciando consensos sobre o desarmamento do principal partido da oposição. Um comunicado da Presidência da República refere que Filipe Nyusi e Ossufo Momade acordaram que a Renamo vai apresentar dentro de dez dias a lista de oficiais que pretende ver integrados na direção das Forças de Defesa e Segurança moçambicanas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)