Turquia

Dezenas de militares turcos envolvidos na tentativa de golpe condenados a prisão perpétua

Um tribunal turco condenou a prisão perpétua dezenas de militares considerados culpados de envolvimento nos sangrentos confrontos na noite do golpe fracassado de 2016.

SEDAT SUNA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um tribunal turco condenou esta quinta-feira a prisão perpétua dezenas de militares considerados culpados de envolvimento nos sangrentos confrontos numa das principais pontes de Istambul na noite do golpe fracassado de 2016. A agência estatal Anadolu referiu que 72 pessoas, incluindo um tenente-coronel, foram consideradas culpadas de “tentativa de alteração da ordem constitucional” e condenadas a penas de prisão perpétua.

Em paralelo, outros 27 acusados receberam sentenças superiores a 15 anos de prisão por “cumplicidade por tentativa de alteração da ordem constitucional”, de acordo com o veredicto que ocorre a três dias da comemoração do segundo aniversário do golpe de 15 para 16 de julho.

Este julgamento insere-se nas centenas de processos judiciais que decorrem por todo o país após a tentativa de golpe de Estado militar que pretendia depor o Presidente, Recep Tayyip Erdogan.

Os factos hoje julgados referem-se a um dos principais episódios do golpe de força e que decorreu no tabuleiro de uma das três pontes que atravessam o estreito do Bósforo, em Istambul.

Na noite de 15 para 16 de julho, dezenas de militares apoiados por tanques assumiram o controlo da ponte do Bósforo durante algumas horas, e dispararam sobre os civis que se dirigiam em sua direção numa ação de protesto. A rendição destes soldados no início da manhã de 16 de julho assinalou o falhanço do golpe.

Segundo a ata de acusação, 32 civis e dois polícias que se opuseram aos golpistas foram mortos nessa ponte, depois rebatizada “Ponte dos mártires do 15 de julho”.

Ancara atribui a tentativa de golpe ao predicador Fetullah Gülen, autoexilado nos Estados Unidos desde 1999 e que tem negado qualquer envolvimento.

As autoridades turcas desencadearam purgas sem precedentes dirigidas aos presumíveis colaboradores e seguidores de Gülen, em particular no funcionalismo público, mas que também se estenderam aos setores da oposição de esquerda e pró-curda, e a jornalistas críticos. Desde o golpe de Estado fracassado já foram detidas cerca de 77.000 pessoas e 150.000 despedidas ou suspensas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empresas

Gerir sem KPIs

José Miguel Pinto dos Santos

O que faz um grande gestor? Não é, certamente, o controlo dos KPIs. Então qual a essência da boa gestão? Em vez de uma definição, fica aqui um exemplo retirado de numa antiga crónica japonesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)