Descentralização

Freguesias esperam que seja “mais imperativa” repartição de recursos com municípios

O presidente da Associação Nacional de Freguesias admitiu no parlamento que o Governo aceitou tornar "mais imperativa" a repartição de recursos entre os municípios e as freguesias.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O presidente da Associação Nacional de Freguesias (Anafre) admitiu na quarta-feira, no parlamento, que o Governo aceitou tornar “mais imperativa” a repartição de recursos entre os municípios e as freguesias, no âmbito da descentralização de competências para as autarquias.

Segundo Pedro Cegonho, o ministro da Administração Interna manifestou disponibilidade para, no fecho do diploma setorial das freguesias, até 15 de setembro, se “aumentar a imperatividade da repartição de recursos entre municípios e freguesias no processo de descentralização de competências”.

O também presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique (Lisboa), que falava esta quarta-feira no grupo de trabalho parlamentar da Lei das Finanças Locais, que discute na especialidade a proposta governamental para rever as finanças das autarquias, notou que “as competências transitam por lei para as freguesias e só a repartição de recursos” dependerá de acordo com os municípios.

Para o autarca socialista, a proposta de revisão da Lei das Finanças Locais representa “um aperfeiçoamento de uma mais justa repartição nas receitas do Estado” e permitirá acabar com o “subfinanciamento crónico” a que estiveram sujeitas as freguesias nos anteriores Orçamentos do Estado.

No parecer que enviou ao parlamento, a Anafre admitiu, no entanto, que foi “uma desagradável surpresa” deparar-se com a disposição que estabelece a graduação numa transferência de verbas entre municípios e freguesias, levando em conta o transferido em 2018, de “no mínimo de 25% em 2019”, o mesmo valor em 2020 e o remanescente em 2021. “Não resultando do entendimento firmado no âmbito do grupo de trabalho [com o Governo], nem sendo abordado em qualquer fase do diálogo exemplar desenvolvido, não pode tal faseamento merecer acolhimento no presente parecer nem ser aceite como boa e justa tal medida”, lê-se no documento.

A Anafre salientou que, “mesmo a coberto do dever de solidariedade nacional recíproca que obriga à contribuição proporcional do setor local para o equilíbrio das contas públicas nacionais”, não pode aceitar a proposta incluída na revisão da Lei das Finanças Locais.

Pedro Cegonho reiterou que a Anafre “se sente confortável” com as competências e o quadro financeiro previsto na lei-quadro da descentralização e nas restantes normas do anteprojeto da Lei das Finanças Locais, mas apontou para o reforço que o diploma setorial permitirá assegurar do papel das freguesias na melhoria das políticas públicas.

O grupo de trabalho parlamentar decidiu o alargamento do prazo para apresentação de alterações à proposta do Governo até 16 de julho (em vez de 13), com votação indiciária e ratificação na comissão no dia seguinte, dia 17, para votação final a 18, no último plenário desta sessão legislativa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Regionalização

Regionalização: um dos mitos do nosso tempo

João José Brandão Ferreira
268

A Regionalização é perigosa: já vimos que é potencialmente fragmentária. Seria um sumidouro de dinheiros públicos e um multiplicador de estruturas burocráticas. Enfim, a Regionalização é escusada. 

Autarquias

Descentralização sim, mas sem ovo Kinder

Diogo Moura
325

O CDS é favorável à descentralização de competências do Estado para as Autarquias, num processo claro e transparente e com a devida avaliação das necessidades de meios técnicos, humanos e financeiros.

Descentralização

Os 7 pecados mortais da descentralização

Carlos Guimarães Pinto
536

A urgência não deve levar a uma descentralização apressada, desligada da realidade política e administrativa do país, e que leve à multiplicação de entidades públicas com as mesmas funções.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)