Moçambique

Tabaco nas mãos de camponeses moçambicanos em risco de apodrecer por falta de mercado

Produtores de tabaco dos distritos de Angónia e Macanga, na província de Tete, centro de Moçambique, arriscam-se a ver grandes quantidades de excedentes de tabaco a deteriorar-se.

ALAA BADARNEH/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Produtores de tabaco dos distritos de Angónia e Macanga, na província de Tete, centro de Moçambique, arriscam-se a ver grandes quantidades de excedentes de tabaco a deteriorar-se, devido à falta de mercado, noticia a Agência de Informação de Moçambique (AIM).

O tabaco acabou por ficar nas mãos dos camponeses, porque a Moçambique Leaf Tobacco (MLT), a única empresa que compra a produção nos dois distritos não teve dinheiro suficiente para absorver o produto, conta a agência noticiosa estatal, citando os produtores.

O administrador do distrito de Angónia, Paulo Sebastião, disse, numa conferência de imprensa, que estão a ser feitos contactos para que empresas do Maláui e África do Sul comprem o excedente de tabaco existente na província de Tete.

Esta medida é para salvaguardarmos a produção dos camponeses”, disse.

Paulo Sebastião assinalou que será feito um levantamento da quantidade real de tabaco na posse dos produtores, para permitir uma coordenação com eventuais interessados na compra do tabaco. A Lusa não conseguiu uma posição da MLT sobre o assunto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)