Brexit

Trump critica solução de May para o Brexit e diz que “provavelmente vai matar acordo comercial” com os EUA

"O acordo que ela está a procurar obter é muito diferente do que as pessoas votaram", disse Trump sobre May. O Presidente dos EUA colocou dúvidas sobre futuro acordo comercial com o Reino Unido.

WILL OLIVER/AFP/Getty Images

Donald Trump acusou a primeira-ministra britânica, Theresa May, de arruinar o objetivo dos britânicos de saírem da União Europeia, com a sua abordagem “suave” das negociações com Bruxelas, o que deverá “matar” futuros acordos comerciais com os EUA.

A posição do Presidente norte-americano foi divulgada em entrevista ao jornal The Sun e os detalhes desta foram revelados enquanto decorria um jantar de boas-vindas de May ao Presidente norte-americano.

As declarações de Donald Trump ao The Sun foram publicadas enquanto Theresa May o recebia para um jantar oficial

Trump disse ao The Sun que “se [os britânicos] fizerem um acordo [como o que está em cima da mesa], nós vamos negociar com a União Europeia, em vez de negociarmos com o Reino Unido, pelo que provavelmente isso vai matar o acordo” com o Reino Unido.

Esta afirmação de Donald Trump sobre a possibilidade de um acordo comercial de grande escala com o Reino Unido estar agora comprometido é um forte revés para o governo de Theresa May, que procura fortalecer com os EUA os laços económicos que eventualmente pode perder com a União Europeia após a consumação do Brexit, marcado para março de 2019.

O chefe da Casa Branca, que comparou o referendo de junho de 2016, no qual uma maioria de votantes apoiou a saída do Reino Unido da União Europeia, com a sua própria eleição nesse ano, disse: “O acordo que ela está a procurar obter é muito diferente do que aquele pelo qual as pessoas votaram, não era este acordo que estava no referendo”.

Donald Trump disse também ao The Sun que chegou a aconselhar Theresa May para as negociações com Bruxelas, mas acrescentou que a primeira-ministra britânica acabou por não lhe dar ouvidos.

“Eu teria feito tudo de uma maneira muito diferente”, disse. “Até disse a Theresa May como é que devia fazer, mas ela não me ouviu. Ela quis ir por um caminho diferente.”

O Presidente dos EUA chegou a Londres numa altura em que o governo de Theresa May, no poder há dois anos, atravessa a sua maior crise, tendo resultado na demissão de dois pesos-pesados do seu executivo: o ministro do Brexit, David Davis, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson.

Os dois ministros, defensores de um hard Brexit, por oposição à solução do soft Brexit, do qual Theresa May é adepta, demitiram-se na sequência do acordo governamental aprovado há uma semana em Chequers, localidade onde fica a residência oficial rural da primeira-ministra britânica. Ali, foi aprovado um plano para apresentar a Bruxelas mais próximo das soluções do soft Brexit. Entre as que mais desagradaram aos defensores do hard Brexit, está a proposta para as relações comerciais entre o Reino Unido e a União Europeia.

Donald Trump tocou ainda noutros temas, como o mayor de Londres, Sadiq Khan, que o Presidente dos EUA estar a fazer “um mau trabalho”; o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, referindo que ficou “triste” ao saber da sua dimensão e acrescentadno que o político conservador daria “um excelente primeiro-ministro”. Além disso, deixou críticas às manifestações  anti-Trump que vão acontecer ao longo da sua passagem pela capital inglesa. “Dantes eu adorava Londres. Já cá não vinha há muito tempo. Mas se me fazem sentir desconfortável e mal visto, porque é que haveria de ficar?”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)