Tailândia

Crianças tailandesas prestam homenagem mergulhador que morreu nas operações de resgate

951

As 12 crianças que estiveram presas numa gruta da Tailândia durante 18 dias só no sábado souberam da morte de um mergulhador durante as operações de resgate. Esta é a homenagem que lhe prestam.

Imagem: Ministério da Saúde da Tailândia (via Associated Press)

Depois de 18 dias presos numa gruta na Tailândia, as 12 crianças e o treinador de futebol foram resgatados numa mega-operação que envolveu mergulhadores de diversas nacionalidades e que deixou o mundo com o coração nas mãos. O caso, que tinha tudo para correr mal, teve um final feliz. Pelo menos para os jovens. A única morte que se registou foi a de um mergulhador voluntário tailandês, que perdeu a vida no dia 6 de julho — quando ainda ninguém tinha sido retirado da caverna.

Os rapazes, com idades compreendidas entre os 11 e os 16 anos, só tiveram conhecimento da morte de Saman Kunan no sábado, refere a Sky News e o Bangkok Post. Os médicos não tinham autorizado que eles soubessem antes de estar fortes o suficiente, a nível psicológico, para receber uma notícia com tamanho impacto. E, como seria de esperar, todos ficaram abalados.

“Todos choraram e expressaram as suas condolências ao escrever mensagens num desenho do Tenente Comandante Saman e fizeram um minuto de silêncio por ele”, adiantou o ministro da Saúde tailandês. “Agradeceram-lhe e prometeram ser bons rapazes.”

Um pouco por todo o mundo — e em especial através das redes sociais — surgiram homenagens ao mergulhador que trabalhava como segurança no aeroporto de Banguecoque e que foi apelidado de “herói”.

As autoridades tailandesas referiram ainda que as crianças estão a evoluir bem e deverão ter alta do hospital na próxima quinta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)