O líder iraniano, Alí Khameneí, disse este domingo que os países europeus subscritores do acordo nuclear devem dar as garantias necessárias para a continuação da concretização daquele compromisso.

Durante uma reunião com o seu gabinete, o responsável político referiu que, “com certeza, as partes europeias estão obrigadas a proporcionar as garantias necessárias”, segundo aponta o seu local oficial da internet. Considerou que, “exceto em alguns casos, como os Estados Unidos, os laços do país com o oriente e o ocidente devem fortalecer-se cada vez mais e deve-se aumentar a mobilidade operativa”.

A venda de petróleo é um dos principais requisitos do Irão para permanecer no acordo nuclear de 2015, depois da retirada dos EUA, em maio.

As sanções sobre o setor energético entram em vigor em novembro e Washington já ameaçou que castigará todas as empresas que, a partir dessa data, continuem a fazer negócios com o Irão, sem admitir qualquer exceção.

Alí Khameneí elogiou a intenção avançada pelo Presidente iraniano, Hasan Rohaní, de, caso o Irão não possa vender o seu petróleo por causa das sanções, interromper os embarques daquele combustível dos países do Golfo no Estreito de Ormuz. “Demonstrar autoridade perante os estrangeiros, especialmente norte-americanos, é necessário e deve fazer-se de maneira oportuna, clara e contundente”, salientou Alí Khameneí.

Em maio, o Presidente dos EUA, Donald Trump, abandonou um acordo que suspendia as sanções sobre o Irão em troca de contenções no seu programa nuclear e recomendou aos países que parem de comprar petróleo iraniano a partir de 4 de novembro ou terão de enfrentar medidas financeiras.