Redes Sociais

Sabia que as perguntas que fez nas stories do Instagram não são anónimas?

As perguntas do Instagram são a mais recente novidade da rede social, mas há quem não saiba que o processo não é totalmente anónimo. E já provocou algumas situações embaraçosas.

KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP/Getty Images

Se tem Instagram, já se deve ter apercebido da mais recente novidade da rede social: poder receber perguntas dos seguidores. Mas deve ter em atenção um pormenor: apesar de aparentemente a pergunta ser anónima e não se perceber quem a fez, o utilizador que recebe a questão sabe bem que a formulou. E isso tem gerado algumas situações caricatas.

Para os mais distraídos, aqui vai uma pequena explicação: os utilizadores do Instagram podem agora enviar as mais variadas perguntas às pessoas que seguem através das histórias (ou ‘stories’, como também são conhecidas). Essa é, no entanto, uma possibilidade que tem que ser permitida pelo próprio utilizador, colocando uma pergunta — tal como o fazem quando adicionam gifs, por exemplo — na fotografia ou no vídeo que partilhar nas tais histórias. Quando os seguidores acompanharem essas stories irão deparar-se com uma pequena caixa branca e cinzenta onde podem colocar a questão. Posteriormente, a pessoa pode optar por responder ou não ao seu seguidor.

A pergunta e a respetiva resposta podem depois ser partilhadas novamente nas stories. Aí não consta o nome da pessoa que fez a pergunta, mas é a única coisa que é anónima neste processo. Ou seja, a pessoa que recebe a pergunta sabe perfeitamente quem a fez e de onde veio. E, pelos vistos, alguns utilizadores não faziam ideia disso. Escusado será dizer que esta situação tem provocado algumas situações (no mínimo) constrangedoras.

Pelo menos é disso que se queixam algumas pessoas nas redes sociais. Um utilizador conta que, como achava que as perguntas era anónimas, disse a um amigo que a namorada dele era feia.

Também esta utilizadora só soube deste pormenor depois de ter chamado feio a alguém.

“Afinal esta coisa das perguntas do Instagram não é anónima. Não posso aparecer na escola depois daquilo que acabei de fazer.”

“Então aquela coisa das perguntas do Instagram não é anónima?”, lê-se noutro tweet.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)