Reino Unido

Novichok. Agente nervoso encontrado em garrafa de perfume

Matthew Rowley, irmão da única vítima que sobreviveu e que continua internada no hospital de Salisbury em estado grave, conta que Charlie lhe disse que pegou numa garrafa de perfume.

Depois de ter selado o apartamento do casal, a polícia britânica avisou que poderá haver resíduos de Novichok noutros locais das redondezas.

Getty Images

O agente nervoso Novichok que a 8 de julho provocou a morte de Dawn Sturgess, em Salisbury, e que deixou Charles Rowley em estado crítico, estava dentro de uma garrafa de perfume. A notícia é avançada pelo The Telegraph que falou com o irmão da única vítima que sobreviveu.

Matthew Rowley conta ao jornal que o seu irmão lhe confidenciou, durante uma conversa telefónica, que terá pegado no frasco de perfume. Resta agora perceber se Dawn, 44 anos e mãe de três filhos, terá pegado no frasco para se perfumar, auto-administrando o agente nervoso que lhe provocou a morte.

O Novichok é o mesmo agente nervoso usado no ataque ao ex-espião russo Sergei Skripal e à sua filha, Yulia, ocorrido em março deste ano, na sequência do qual ambos ficaram entre a vida e a morte, mas conseguiram sobreviver.

As autoridades britânicas estão ainda a tentar perceber como é que o recipiente terá chegado ao apartamento do casal — uma das teorias avançadas pela imprensa é que o frasco terá sido descoberto perto de um arbusto num parque no centro de Salisbury e o casal terá decidido levá-lo para casa. A outra questão fundamental é perceber se pertence ou não ao mesmo lote usado contra os Skripal.

Para já, e depois de ter selado o apartamento do casal, a polícia britânica avisou que poderá haver resíduos de Novichok noutros locais das redondezas.

Estado clínico melhora, mas ainda é grave

O estado clínico de Charles Rowley tem vindo a melhorar, e embora a sua situação ainda seja grave e o homem de 45 anos já está a comer alimentos sólidos. A sua mulher Dawn morreu uma semana depois de ter sido envenenada. A família foi avisada pelas autoridades que poderá levar meses até que o corpo lhes seja entregue para os rituais fúnebres.

Na passada sexta-feira, um comunicado da polícia avançava que as autoridades tinham encontrado uma pequena garrafa na casa das vítimas. Depois de submetida a análise, ficou confirmado que a substância na garrafa é Novichok.

“Vão ser realizadas mais provas científicas para tratar de determinar se é do mesmo lote que contaminou Sergei e Yulia Skripal”, disseram as autoridades.

Skripal e interferência nas eleições americanas podem vir do mesmo lado

O mesmo serviço de inteligência militar russo acusado de interferir nas eleições presidenciais norte-americanas poderá também estar envolvido no envenenamento do ex-espião russo, Sergei Skripal, no Reino Unido. A notícia é avançada pelo The New York Times.

Segundo o jornal norte-americano, as autoridades britânicas estarão convencidas que o o ataque de março contra Skripal e sua filha, Yulia, foi realizado por agentes do serviço conhecido como G.R.U.

Na passada sexta-feira, o Departamento de Justiça norte-americano anunciou que iria acusar 12 agentes do G.R.U. de interferência com a campanha presidencial norte-americana que deu a vitória a Donald Trump.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)