A chegada de Cristiano Ronaldo a Turim para representar a Juventus é o negócio do ano, com o atual melhor jogador do mundo a trocar o tricampeão europeu Real Madrid pelos bianconeros e a colocar num patamar superior o plantel do heptacampeão italiano. A nível desportivo, é de prever que o português venha a ter grande influência no futebol da Juventus, sendo a figura de proa de uma equipa que procura o oitavo campeonato consecutivo e a terceira Liga dos Campeões da sua história, 22 anos depois da última. Mas o efeito Ronaldo não se vai manifestar apenas dentro das quatro linhas e os milhões investidos pela Juventus na aquisição de CR7 voltarão para os cofres da Vecchia Signora, previsivelmente, com lucro. 

Diz o italiano Tuttosport que, apenas um dia depois da apresentação oficial do português, a primeira remessa de camisolas da Juventus para a época 2018/19 já está esgotada. Muitos foram os tiffosi que invadiram as lojas oficiais do clube, mal se soube da milionária transferência, e estamparam o nome do novo número sete nas costas da camisola, provocando uma autêntica corrida ao equipamento bianconero. No total, estima-se que o valor da venda das primeiras camisolas tenha chegado aos 54 milhões de euros. Mas, para quem pensa que esta é a “galinha dos ovos de ouro” do clube, desengane-se: neste caso, a Juventus recebe apenas 20% do valor de cada camisola, reduzindo para um quinto o possível lucro retirado. 

Já esteve nos 102, calcula-se que ronde os 120 e que chegue a atingir os 150 milhões de euros: quanto vale a marca Ronaldo?

Ainda assim, 20% de alguns milhões é superior a 20% de uns quantos milhares, pelo que a afluência dos adeptos da Juventus (e não só, já que Ronaldo leva consigo uma legião de fãs igual ou superior à apresentada pelo clube italiano) às lojas do clube tem sido vista com bons olhos pelos responsáveis italianos, que já começam a fazer contas ao dinheiro que entrará nos cofres do clube: estima-se que as receitas das operações internas da Juventus aumente em 30% quando comparado com o valor obtido na temporada passada (entre 22 a 25 milhões de euros).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas, para cada copo meio cheio, existe uma metade vazia: na época passada, a Juventus registava 25,7 milhões de euros em despesas; este ano, estima-se uma subida de 30%. O mesmo acontecerá com as receitas globais do clube de Turim que, caso a campanha desportiva seja semelhante à da temporada anterior (título de campeão nacional e permanência na Liga dos Campeões e Taça de Itália até às rondas finais), se prevê que rondem os 71 milhões de euros.

Além disto, é de prever que a Juventus tente renegociar alguns dos contratos que mantém com os seus principais patrocinadores, no qual se destacam a Adidas, a Jeep e a Cygames. A marca Cristiano Ronaldo trouxe valor à marca Juventus e, assim, os responsáveis italianos procurarão ver esse aumento refletido nos contratos de patrocínio.

Ronaldo chegou a Turim, as ações da Juventus dispararam e chegaram a valores… ainda longe do máximo do ano passado

Certo é que, ainda Ronaldo não tinha colocado os pés em Turim, já a Juventus ganhava dinheiro com ele: as ações dos transalpinos dispararam em flecha com os rumores do negócio, atingindo um máximo de 0,95 euros, depois de ter valido 0,67 euros. De quanto foi a subida? Adivinhou: cerca de 30%.

Por fim, também as redes sociais da Juventus têm ganho com a presença do melhor do mundo no Allianz Stadium, tendo ganho 15 milhões de seguidores nos dias que antecederam a contratação e 1,4 milhões desde a apresentação oficial. É o efeito Ronaldo a fazer-se sentir. Para já, apenas fora de campo.