537kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

O SXSW mudou os festivais, os de música e os outros. Mirko Whitfield é um dos culpados

Este artigo tem mais de 4 anos

Britânico, vive na Alemanha, trabalha no South By Southwest e dá a cara pelo festival nos mercados internacionais. Falámos com Mirko Whitfield, que esta terça dá uma conferência em Serralves.

Austin, a cidade do Texas que todos os anos acolhe o South by Southwest. A próxima edição acontece entre 8 e 17 de março de 2019
i

Austin, a cidade do Texas que todos os anos acolhe o South by Southwest. A próxima edição acontece entre 8 e 17 de março de 2019

Austin, a cidade do Texas que todos os anos acolhe o South by Southwest. A próxima edição acontece entre 8 e 17 de março de 2019

Mirko Whitfield já correu muita estrada. Foi tour manager e agente, trabalhou com artistas como PJ Harvey, Ultravox e Paul van Dyk. Actualmente trabalha no SXSW – South By Southwest, o festival em Austin, Texas, onde toda a gente quer estar presente, o mesmo que deixou de ser um festival só de música. Hoje é um evento que promove a comunicação entre diversos sectores de entretenimento e tecnologia. Whitfield está esta terça-feira, dia 17, na Casa de Serralves, a propósito do Clab – Laboratório Criativo, onde fará uma apresentação sobre como o SXSW mudou a cidade de Austin e o contrário também aconteceu. O Observador falou com Mirko Whitfield a propósito da sua apresentação e da sua perspectiva em como os festivais de música – e não só – estão a mudar.

O CLab – Laboratório Criativo é um encontro de pessoas criativas nas mais diversas áreas. Qual vai ser o tema da sua apresentação?
O tema geral do CLab – Laboratório Criativo é a forma como a criatividade mudou nos últimos dez anos. Irei falar sobre o South by Soutwest [SXSW] e a cidade de Austin. O SXSW começou há trinta e dois anos, em 1987. A primeira vez que trabalhei no festival foi num período entre 1990 e 1994. Depois estive uns anos a trabalhar noutras empresas e voltei em 2006. Em relação a Austin, o ponto de partida é 1968, quando começaram a acontecer algumas coisas importantes na cidade, por exemplo, quando a IBM mudou o seu centro de investigação para lá. A partir daí, a Universidade de Austin começou a atrair muitos estudantes, especialmente asiáticos, que vinham estudar engenharia eletrotécnica. Além disso, Austin sempre foi uma cidade associada à música. Vou falar da combinação disto tudo, da universidade, da cultura liberal e de como diferentes indústrias são importantes para o desenvolvimento de novas indústrias criativas. Isso aconteceu um pouco por todo o lado nos Estados Unidos, em Stanford, Palo Alto, com Silicon Valley, e está a acontecer agora em Austin. Tens uma grande universidade e muitas empresas, como a Amazon, Google, Facebook, com escritórios em Austin. Todos os dias cerca de 190 pessoas mudam-se para Austin.

Quando é que sentiu que o festival estava a mudar e a integrar diferentes indústrias criativas além da música?
O festival começou em 1987, em 1994 acrescentámos ao programa cinema e multimédia. E depois creio que a grande mudança se dá em 2007, salvo erro. O Twitter foi mais ou menos lançado no SXSW; em 2008 o Mark Zuckerberg deu uma keynote e em 2009 o Foursquare foi lançado. Houve muita coisa a acontecer entre 2007 e 2009, creio que foi aí que o festival se relançou.

Os festivais de música mudaram muito na última década. Vê a influência do SXSW, sobretudo nessa vontade de cruzar diferentes indústrias, a acontecer noutros festivais, nos europeus, por exemplo?
O modelo do SXSW tem sido copiado por muita gente. O que é OK para nós, até gostamos disso. Há um festival na Holanda, chamado The Next Web, que é muito parecido com o SXSW: tem tecnologia, música e uma atitude muito relaxada e descontraída. E também há o Live At Heart, em Setembro, na Suécia. No site deles há uma parte que diz: “Queremos ser o SXSW da Suécia”. E depois há a Web Summit, que foi muito influenciado pelo SXSW. Recebemos pedidos de várias cidades mundiais que querem fazer um SXSW.

E alguma vez pensaram em fazer um?
Sim. O problema é que em 2006, quando regressei ao SXSW, existiam trinta pessoas a trabalhar no festival. Hoje são mais de 220. É uma empresa que cresceu muito nos últimos anos, o evento em Austin cresceu imenso na última década. Como crescemos tão rápido não temos a possibilidade de fazer um na Europa, por exemplo.

É britânico e vive na Alemanha. Como chegou a Austin?
Vivo na Alemanha e conheço o SXSW há mais de trinta anos. Trabalhei durante muito tempo na indústria musical, fazia digressões, trabalhei em editoras e conheci os organizadores do festival quando vivia em Berlim. Trabalhava num festival de música e os programadores do SXSW iam lá.

Qual festival?
Berlin Independence Days, já não existe. Todos nós viemos da indústria musical, o Roland Swenson, um dos fundadores do SXSW, era tour manager e agente de bandas. Trabalhávamos no mesmo.

E o que é que essa vida na estrada ensina?
Eu digo-te o que ensina: ensina-te a seres persistente. Sabes, se tens de estar na estrada trinta dias com uma banda, lidar com as salas, as pessoas que lá trabalham, isso torna-te persistente. Uma das coisas que as pessoas se esquecem sobre o SXSW é de que nem sempre foi um grande festival, antes era muito pequeno. Antes ninguém queria ir a Austin. Há cerca de dez anos é que o paradigma mudou. Mas antes muita gente não ia, porque não tinham uma razão, porque era difícil chegar a Austin e porque nem percebiam o que era o festival. Foi um trabalho duro. Mas acho que as pessoas do Texas são teimosas e o Texas também torna teimosas as pessoas que lá trabalham.

Companhias relacionadas com outras indústrias, como a dos videojogos, ajudaram a mudar o paradigma do festival? E, já agora, como vê a evolução do SXSW e de outros festivais no futuro?
Sim, claro. A realidade é que é muito caro montar um festival, muita gente tem de ser contratada. E isso significa que tens de pagar às pessoas. E tens de fazer dinheiro. A indústria musical já não é o que era, as pessoas na indústria agora têm menos dinheiro. E depois há uma grande diferença, também se começa a sentir na Europa, mas nos Estados Unidos, os norte-americanos sempre estiveram mais preparados para olhar para a tecnologia como uma forma de melhorar o seu negócio. Adoro a Europa, a sua cultura, a “Velha Europa”, mas os norte-americanos têm outro ângulo e adoram a tecnologia: por isso foram os americanos a criar a nova Apple, o iPhone. Isso tem um grande efeito em como tudo é percecionado. A indústria musical mudou bastante e a experiência de ouvir música também: as pessoas fazem download de músicas ou ouvem em streaming. Já não ouvem álbuns. E já não vão a tantos concertos. Quando era miúdo, em Inglaterra, ia ver bandas que não conhecia.

Agora o público faz isso, mas em festivais.
Talvez, tens razão. Mas não faz isso numa quarta-feira, sair de casa para ir ver um concerto de uma banda que não conhece. As coisas mudaram. O consumidor mudou, a indústria mudou.

Os festivais de música vão concentrar-se em mostrar mais artistas e bandas que as pessoas conhecem?
Sim, é muito provável que assim seja. Na minha apresentação vou falar em como a cidade de Austin tem mudado. E porque mudou e como isso se deve em parte ao festival. Mas o contrário acontece também. Em Portugal, em Lisboa, no Porto e noutras cidades, fazer estes eventos é uma forma  de encorajar as pessoas a ficarem, fazerem os seus negócios cá, mas também de incentivar pessoas a virem de fora e estabelecerem os seus negócios aqui. Portugal está muito melhor posicionado do que muitos outros países europeus. E tem uma grande vantagem: os portugueses falam muito bem inglês.

Mais info sobre a conferência aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.