Estradas

Observatório do ACP propõe medidas para evitar mortes nas estradas do Algarve

O Observatório do Automóvel Clube de Portugal propôs um conjunto de intervenções de "execução simples e rápida" em 23 troços de seis "zonas críticas" do Algarve onde foram registadas vítimas mortais.

Jose Sena Goulao/LUSA

O Observatório do Automóvel Clube de Portugal propôs esta quarta-feira um conjunto de intervenções de “execução simples e rápida” e de “baixo orçamento” em 23 troços de seis “zonas críticas” das estradas do Algarve onde foram registadas vítimas mortais.

As intervenções propostas pelo observatório do Automóvel Clube de Portugal (ACP) têm um custo total de 149.700 euros, foram entregues à Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e abrangem “vias estruturantes como o IC1 [Itinerário Complementar 1], a incontornável EN125 [Estrada Nacional 125] e a estrada mais longa do país, a EN2 [Estrada Nacional 2], esta última na ligação com a Via do Infante” [A22], referiu o ACP no documento.

As medidas e soluções técnicas apontadas neste estudo estão dependentes da capacidade e vontade dos municípios para as implementar. A seleção das seis zonas críticas apontam soluções técnicas de segurança rodoviária e mobilidade, com vista a anular a existência de mais vítimas mortais nestes troços/locais, os quais registaram 38 mortos no Algarve entre 2010 e 2017″, explicou o observatório do ACP.

Entre os principais problemas detetados estão “a permissão de velocidade elevada, os perigos para os peões, sobretudo as partes em que podem atravessar as vias, os cruzamentos de acesso a trânsito local, a falta de espaço para os peões circularem, aliado a um elevado volume de tráfego de atravessamento e forte circulação de camiões”, elencou o observatório.

Somam-se ainda, segundo a mesma fonte, “o estado de conservação da sinalização horizontal de trânsito, sobretudo as guias e as linhas de separação de vias, a falta de limpeza das vias de um modo geral e das vegetações nas bermas em particular, e, por último, o estado de conservação do pavimento em muitos troços e em extensões consideráveis, com graves depressões e abatimentos em zonas de curvas”.

O Observatório ACP fez um levantamento dos perigos que se verificam em seis zonas críticas e 23 troços da rede rodoviária do Algarve, onde 38 pessoas morreram em acidentes nos últimos sete anos. Dessa análise dos locais de observação de acidentes com vítimas mortais, resultou um conjunto de soluções de execução simples e rápida e de baixo orçamento”, referiu.

O observatório adiantou que as soluções propostas visam “compatibilizar as funções de atravessamento rodoviário com as de acessibilidade e vivências locais, mediante a segregação física da infraestrutura que responde a cada uma dessas mesmas funções” e criar “faixas pedonais contínuas e marginais à via como suporte ao atravessamento”.

A criação de “medidas que promovam a segurança e amenidade de circulação em detrimento da fuidez e da capacidade” e “impeçam a prática de velocidades indesejáveis”, a implementação de “soluções de sinalização rodoviária – horizontal e vertical – de interdição de ultrapassagens ao longo de alguns troços” onde existe “falta de visibilidade” ou a “centralização das manobras de inversão de marcha e mudança de direção em locais bem definidos e sinalizados para o efeito” são outras medidas propostas pelo ACP.

Sensores de velocidade associados a paragens de autocarro que permitam o atravessamento pedonal em condições de segurança, piso antiderrapante antes das passadeiras, lombas cromáticas junto a travessias pedonais com semáforos para peões e o reforço da iluminação pública em locais de atravessamento pedonal ou de movimentos pedonais foram também iniciativas propostas.

O Observatório referiu que o levantamento e o trabalho de campo “decorreu em maio e junho de 2018” e analisou a “evolução da sinistralidade rodoviária na região do Algarve”, a “caracterização e associação da sinistralidade às vias rodoviárias existentes”, a “identificação das zonas críticas de sinistralidade rodoviária no distrito de Faro, envolvendo vítimas mortais”, e a “definição de propostas de alteração e soluções de engenharia de tráfego com vista à redução/eliminação dos índices de sinistralidade”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)